Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
TerraCottem  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Preserve a natureza. Faça a coleta seletiva do lixo.
 
 
 
 
 
Plantas ajudam a solucionar crimes... mas também matam

Perigo sem aviso

Se as plantas podem “falar” pelos mortos e até ajudar a solucionar crimes, podem também causar mortes acidentais ou intencionais. De tal forma que os especialistas de medicina forense reconhecem cada vez mais a utilidade dos conhecimentos de botânica.
Paula Alexandra Almeida

Maria Cristina Mendonça, patologista forense no Instituto Nacional de Medicina Legal, valoriza a contribuição da botânica no âmbito das perícias médico-legais e na investigação criminal. Efetivamente, muitos vestígios existentes nos corpos podem orientar os peritos sobre o local em que estavam, há quanto tempo morreram ou a época do ano em que isso aconteceu.

“No exame de um cadáver, os vestígios vegetais que eventualmente estejam no corpo podem dar indicação do local da morte, que pode não coincidir com o local onde o corpo é encontrado”, revela. Esses vestígios podem ser macroscópicos -troncos, folhas, ramos, etc. -, ou microscópicos, nomeadamente os grãos de pólen e esporos, que podem ser indicativos. Esta é, aliás, uma área que está em franco desenvolvimento e que é denominada como palinologia forense. “Às vezes, a presença de polens nas pregas da roupa, nas fossas nasais, na lama das solas dos sapatos, pode ajudar a identificar o local onde ocorreu a morte do indivíduo”.

A este propósito, Maria Cristina Mendonça recorda o caso de um corpo que apareceu num saco de plástico onde se encontraram agulhas de pinheiro. “O saco foi encontrado na beira de uma estrada onde não existiam pinheiros, logo isso foi decisivo para orientar as investigações”.

Há outros estudos paralelos que têm a ver, por exemplo, com entomologia forense, o estudo dos insetos que colonizam os corpos. Quem não conhece o famoso personagem da série televisiva CSI Las Vegas, Gil Grissom, que estuda e coleciona toda a espécie de insetos? “Os insetos dão muita informação, não só em termos de tempos de morte, porque vão colonizar seguindo uma cronologia relativamente rigorosa dentro dos ciclos de metamorfose próprios da espécie, mas também do local ou da época do ano em que a morte ocorreu”.

Todos estes aspectos são interessantes porque ajudam na resolução de enigmas ligados à morte. “Quando se estuda a causa da morte, há muitos elementos que se podem recolher para além do cadáver - o seu espólio, restos vegetais, restos animais, elementos tóxicos… tudo isto vai para além do próprio corpo”.

Nesta perspectiva pode ser importante o papel dos vestígios botânicos na compreensão da causa da morte, como acontece em casos de afogamento em que a presença de algas microscópicas em determinados órgãos pode ajudar a descobrir se a pessoa se afogou ou se estava já morta e foi colocada na água para encobrir um homicídio. Quando uma pessoa morre afogada há penetração de líquido nas vias aéreas, que passa depois aos pulmões e posteriormente ao sangue. “Mas para isso a pessoa tem que estar viva ao entrar na água”, salienta a especialista. “Se a pessoa entrar na água já cadáver, não há passagem da água para o sangue e a infiltração fica-se pelas vias aéreas”.

Existem componentes microscópicos botânicos na água — microalgas designadas diatomáceas — que podem ultrapassar a membrana pulmonar e passar ao sangue, distribuindo-se por todo o corpo. “Se estudarmos, em algumas zonas concretas e que não estejam conspurcadas, a presença dessas microalgas, podemos teoricamente dizer que essa pessoa entrou viva para a água”, revela. E a não existência poderá levar à conclusão contrária.

Plantas que matam

Mas se as plantas ajudam, também podem complicar, e fatalmente. Helena Teixeira, toxicologista forense do INML, alerta que “antes de mais é preciso ter a noção da diversidade de plantas que existem no mundo e, em particular, no nosso país”. Por outro lado, mesmo admitindo que existe algum conhecimento por parte de certos especialistas que trabalham directamente com estas espécies, a grande maioria das pessoas desconhece a grande diversidade de plantas tóxicas que existe à disposição de qualquer um, com o inconveniente de não constar, em nenhuma delas o “símbolo de toxicidade”, existente na maioria dos produtos comercializados no nosso país.

Mas, afirma ainda, “os sintomas de intoxicação dependem do produto, da quantidade ingerida e de certas características físicas da pessoa que o ingeriu. Algumas substâncias não são muito potentes e exigem uma exposição contínua para que ocorram problemas. Outros produtos são mais tóxicos e basta uma pequena quantidade para causar graves intoxicações”.

Reportando ao uso de plantas com conhecimento das suas propriedades, a toxicologista recorda o caso mediático que no ano passado vitimou um jovem madeirense com chá de trombeteira. “Eram jovens que sabiam que aquelas plantas - que existem nos jardins à mão de semear - teriam alguns efeitos alucinogénicos. Não saberiam, no entanto, a gravidade da sua utilização desmedida, como foi o caso”. Foi através da análise toxicológica que se conseguiu determinar o alcalóide responsável pela intoxicação mortal do jovem.

Apesar de não serem muitos os casos registados nesta área, Helena Teixeira admite que haja uma sub-avaliação, já que muitas das intoxicações estão relacionadas com utilizações acidentais e nunca se pensa em plantas como primeira suspeita de intoxicação se não for fornecida a correspondente informação circunstancial.

E são muitos os exemplos. A rama da batateira é fatal para humanos e animais. O estramônio, ou figueira do inferno, da família das felanácias, é uma planta tóxica. Mas um dos casos mais notórios é a o da dieffenbachia, uma planta que existe em quase todos os lares e jardins, exteriores e interiores, e cuja seiva pode provocar edema da glote. Aliás, “as plantas ornamentais usadas indevidamente podem causar intoxicações graves se indevidamente utilizadas”.

Outro aspecto ligado à toxicologia tem a ver com os caroços de algumas frutas – pêssegos, cerejas, ameixas — que contêm compostos cianogénicos, “derivados do cianeto que podem levar à morte, dependendo da quantidade ingerida”. É costume nos livros policiais aludir-se ao cheiro a amêndoas amargas exalado pelos cadáveres vítimas de intoxicação com cianeto ou seus derivados.

É verdade, clarifica Helena Teixeira. A própria bebida conhecida como “Amêndoa amarga” contém derivados cianogénicos. E se no homem não provoca intoxicação, quanto às mulheres, “é importante que se faça referência que se estiverem grávidas não devem beber podendo correr o risco de abortar se a percentagem incluída na bebida for em demasia”.



Fonte de pesquisa: Jornal O Primeiro de Janeiro - Portugal





 
 
 
 
Plantas podem ver, ouvir, cheirar e até reagir?
Na visão de Jack Schultz, plantas são "como animais muito lentos": conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos.
Sem músculos e cérebro, planta carnívora ainda intriga cientistas
Depois de verem fotos da planta postadas por um naturalista amador no Facebook, pesquisadores confirmaram que aquela espécie de drosera era nova para a ciência. - Postada em 07 março 2017
Plantas conversam entre si e possuem até uma espécie de internet, revelam cientistas
Com o uso de gases e fungos, vegetais avisam que estão doentes ou a chegada de predadores.
A caiação das árvores
Como surgiu a incauta pintura e continua até os dias de hoje.
Ouro cresce em árvore?
Cientistas dizem que sim,
Músicas do Black Sabbath fazem bem às plantas, diz especialista
Ajudam a evitar doenças e faz com que elas floresçam melhor.
Vitória Régia a rainha dos lagos. Além da lenda ...
Diz a lenda, que a lua cheia, dona de encantos fabulosos, teria poderes de transformar lindas jovens em estrelas radiantes a brilhar no céu ao lado de nossas constelações boreais.
Mesa de musgo coleta energia da fotossíntese
Já pensou em ter uma mesa de musgo?
Incrível planta se faz de morta quando é tocada
A planta usa o seu sistema de defesa para enganar predadores.
Coletivo de designers aposta em plantas como acessórios
Eles desenvolveram uma linha de joias que transforma plantas em acessórios.
Árvores criam raízes em excesso e usam-nas como armas
Para que servem essas raízes extras?
Verde que mata
As estratégias de caça de algumas das plantas carnívoras mais estranhas do mundo são perturbadoras, muito além do que os botânicos poderiam imaginar.
Os fascinantes cactos e outras suculentas
As cactáceas são plantas suculentas com folhas completamente reduzidas ou transformadas em mamilos com espinhos.
O mistério das plantas e vasos furtados
Lá em Portugal também acontece. Incrível.
Plantas Companheiras
As plantas também têm preferências e se dão melhor com umas do que com outras.
Japoneses usam cortina feita de pepino e plantas para fugir do calor
O acidente na usina de Fukushima reduziu a produção de energia no país e os japoneses terão que enfrentar as temperaturas altas sem ar-condicionado.
Hóspedes educadas, formigas sabem de longe qual é a sua árvore
Cientistas espécie de formiga que consegue reconhecer a árvore onde vive por sua estrutura química.
Jabuticabeira que produz rápido
Chacareira de Jaguariúna aplica técnica em mudas originadas de sementes, que dão frutos a partir do quinto ano.
Cogumelos
Há milhares de anos, os chineses foram os primeiros a usar cogumelos como alimento.
Lustre ecológico permite cultivar plantas em ambientes fechados
Objeto de decoração ilumina o ambiente ao mesmo tempo que fornece luz para fotossíntese.
Vaso inteligente cuida das suas plantas por você
A tecnologia chegou ao jardim.
Aprenda quais são as plantas para atrair bons fluidos em 2011
As plantas podem ser aliadas para começar 2011 com o pé direito.
Círculo das Fadas
Crie um lugar mágico em seu jardim para atrair as fadas.
A estratégia inteligente das plantas
As plantas e animais aceitaram satisfazer os nossos desejos e paixões com o intuito de se perpetuarem.
Os diversos agentes da polinização
Todos os segredos de um novo organismo vegetal estão contidos em cada minúsculo grão-de-pólen.
Loja vende plantas cultivadas dentro de lâmpadas
A ideia é simples.
Jardim da Magia
Se você quiser cultivar um jardim de que as fadas vão gostar.
Vasos urbanos antiqueda encaixam no muro
Produto está disponível em várias cores e tem design patenteado.
Aromas e perfumas das plantas
Desde os primórdios da humanidade o aroma e o perfume das plantas fascinaram o ser humano.
Que árvore você é?
Veja a sua data de nascimento para saber

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br