Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
TerraCottem  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Os jardins devolvem às pessoas o verde que a cidade lhes roubou - Roberto Burle Marx
 
 
 
 
 
O surpreendente mundo das plantas
 
As plantas fazem parte do nosso dia a dia de forma tão indispensável e constante que freqüentemente nem  nos damos conta por elas. A verdade é que se nos debruçarmos por momentos sobre o seu mundo faremos descobertas surpreendentes e fascinantes.
Maria Carlos Reis



Por mais insólito que nos possa parecer, podemos dizer que as plantas podem ver, comunicar-se entre si, têm a capacidade de reagir ao mais pequeno toque e, ainda conseguem calcular o tempo com uma precisão surpreendente.

Dito assim, poderá parecer que se trata de uma confusão, porque é aos animais que normalmente poderemos atribuir tais faculdades. Ou então se trata de afirmações extraordinárias, que rondam os domínios da fantasia. Destas duas, vamos enveredar pela primeira parte da segunda opção. É que embora algumas destas capacidades só recentemente tenham sido identificadas pelos botânicos, as provas das outras são conhecidas por todas as pessoas minimamente sensíveis ao mundo natural e, em particular, ao extraordinário "Mundo das Plantas".

Poderemos então relatar alguns fenômenos relativamente comuns. Por exemplo, se um rebento for mantido numa caixa fechada, onde somente exista uma fresta por onde entre a luz do sol, facilmente se verifica que ele rastejará em direção a ela. Esta pode ser uma das evidências que servem de base à afirmação de que "as plantas podem ver". Os girassóis, durante o pôr do sol, estão virados para Oeste, mas viram-se para Este durante a noite, para que possam apanhar os raios solares da alvorada. Eles continuarão a executar estes movimentos, durante vários dias, mesmo que sejam mantidos sob a mais completa escuridão, o que nos permite dizer que as plantas conseguem calcular o tempo, pois possuem um ritmo circadiano (diário) intrínseco. Existe, ainda, o exemplo de algumas plantas carnívoras, como a dioneia, que fecham as suas sedas sensíveis quando são tocadas não uma, mas duas vezes. Isto significa que, para além de serem sensíveis ao toque, conseguem contar!

As plantas também precisam viajar. Para seres que se movem rapidamente como nós, elas são encaradas como seres de vida sedentária, pois estão enraizadas e raízes são sinônimo de imobilidade. Mas esta é, apenas, a visão mais simplista. Se pensarmos que, tal como todos os seres vivos, também a vida das plantas culmina com a produção de mais indivíduos, que tentarão reivindicar espaço para si e, dessa forma, alargar a área de distribuição da sua espécie, rapidamente concluímos que, para o fazerem, elas terão de viajar numa determinada fase do seu ciclo de vida, enquanto semente, ou mesmo na fase adulta. Deste último caso, poderá ser salientado o exemplo das que alargam os seus domínios através de caules exploratórios e que progridem de uma forma agressiva, através de espinhos que se agarram ao solo e que destroem a vegetação que encontram no caminho. Vão, assim, consolidando a sua ocupação.

Mas as estratégias de propagação das sementes são, igualmente, diversas e espantosas. Veja-se o caso das giestas, que literalmente lançam as suas sementes a grandes distâncias. Quando as vagens aquecem durante o dia, o lado virado para o sol seca mais depressa do que o que está à sombra, o que cria uma tensão dentro da vagem, que acaba por dividi-la nas suas duas metades, catapultando as suas pequenas sementes em todas as direções.

Mas para que as plantas consigam sobreviver, na maior parte das situações, elas necessitam de estabelecer relações com outros seres vivos, pois vivem em comunidade. Apesar de muitas destas relações resultarem no prejuízo de uma das espécies intervenientes, existem muitas outras em que os benefícios são mútuos ou que, pelo menos, delas não decorre prejuízo para nenhuma das espécies envolvidas. É o caso dos animais que vivem no interior de plantas, de que são exemplos comuns as formigas. Elas são inquilinos de uma grande variedade de plantas, de que se destaca a acácia-chifre-de-búfalo, da América do Sul. Ela desenvolve espinhos de proteção, que são escavados pelas formigas rainhas, já acasaladas, que aí se instalam e fazem as posturas. Depois de nascerem, as jovens operárias patrulham a planta e qualquer inseto que nela pouse para se alimentar das suas folhas é imediatamente comido, o que serve os interesses da acácia.

Todas estas capacidades resultaram da adaptação evolutiva das diferentes espécies, a meios com características e requisitos distintos. Ao longo do tempo, elas tiveram, tal como os animais, de enfrentar inúmeros problemas, tais como evitar os inimigos, competir com as plantas vizinhas quando os recursos escasseiam, utilizando-os da forma mais eficiente e garantindo, simultaneamente, a replicação da espécie.

Todos estes conflitos e dificuldades são comuns à maioria das plantas, e decorrem mesmo ao nosso lado, no canteiro da frente da nossa casa ou no jardim onde levamos o "Bobby" a passear. No entanto, a consciência que temos destes fenômenos não é grande e talvez seja devida ao fato da maioria das plantas viver numa escala temporal muito diferente da nossa. Hoje em dia, porém, os avanços da tecnologia, nomeadamente em relação ao filme e ao vídeo, não param, o que nos permite modificar e acelerar o movimento. Desta forma, as ações das plantas deixam de ser imperceptíveis e temos a possibilidade de apreciar fenômenos como o estrangulamento das árvores hospedeiras pelas raízes trepadoras da figueira-estranguladora ou a floração repentina das espécies herbáceas durante o curto verão do Ártico.

De tudo aquilo que se sabe, poderá ser afirmado que as plantas são organismos com maior êxito do que os animais. Foram elas as primeiras a colonizar o meio terrestre e só após este processo é que foram criadas as condições para que os animais o invadissem. Para além disso, elas são à base de todas as cadeias alimentares.

No mundo das plantas vamos encontrar as mais variadas adaptações, que lhes permitem sobreviver nos locais mais inóspitos, onde nenhum animal conseguiria prosperar. Simples, ou mais complexas, elas colonizaram quase toda a superfície do nosso planeta, desde as neves dos pólos, às luxuriantes florestas úmidas do equador. Para elas só são essenciais quatro fatores: água, luz, calor e sais minerais. Parece uma lista pouco exigente, mas é ainda mais espetacular se pensarmos em como são módicas as quantidades de que algumas delas precisam. Qualquer local que possa fornecer um mero vestígio de sais minerais, água, calor e luz, ainda que por um período limitado de tempo no ano, é certamente colonizado por algum tipo de plantas.

Existe apenas uma única situação a que não conseguem sobreviver: as ações violentas da humanidade. Exploramo-las de uma forma pouco consciente desde que surgimos no planeta como espécie, mas hoje em dia fazemo-lo a uma escala sem precedentes. Colocamo-nos em risco ao esquecermos de que dependemos fortemente das plantas, pois é infindável a lista de utilizações que diariamente fazemos delas. Raras são às vezes em que nos ocorre, quando bebemos mais um copo de vinho, lemos o nosso livro de cabeceira ou lavamos a nossa camisola de algodão, que somos atores em histórias escritas, não por nós, mas por elas, histórias que não são mais do que estratégias extremamente bem sucedidas nas suas campanhas de reivindicação, para as suas espécies, dos recursos a que têm direito na sua vida na Terra.



Fonte de pesquisa: Naturlink - Portugal






 
 
 
 
 
Terapia ocupacional no jardim
O uso de jardins na psicologia - Artigo enviado por nosso leitor Kaio Emmanuel Farias estudante de Publicidade da Universidade São Judas Tadeu . SP - Postado em 13 julho 2017
A arte de cultivar virtudes
O garoto, de 4 anos de idade, aprendia a cultivar e a cuidar das plantas com o exemplo do seu avô.
Queda de árvores e soluções
Artigo enviado pelo autor José Roberto dos Santos, que tem 35 anos de experiência trabalhando como jardineiro.
Morar em um condomínio é viver no Jardim do Éden?
Talvez a idéia que temos do Paraíso seja bem próxima de um lugar protegido do caos exterior ....... Por Raul Cânovas
A crise e o estresse
Uma das formas mais interessantes de combater o estresse é a de se relacionar melhor com a natureza.
O dia em que a terra brotou
Hoje busco pessoas que acreditam em mudanças para uma grande mobilização social voltada para a educação ambiental.
Curiosidade infantil
Planta sente dor? A criança me fitou e disse: "É pro senhor mesmo que perguntei!"
Vc sabe o que é Biomimética?
É uma nova ciência que nos convida a aprender com a natureza.
Paisagismo e seus estilos
Para definir o jardim que queremos em nossa residência, além de termos o cuidado da escolha de um bom profissional, temos que ter em mente a variedade de opções, estilos e técnicas de plantio.
Qualidade de vida pela arborização
Um exemplo a ser seguido em uma cidade de Angola na África.
Coitadas das nossas árvores, coitadas de nossas calçadas
Caminhando pelas calçadas de nossas cidades, quase sempre danificadas por buracos e dos mais variados obstáculos, vemos as árvores.
Origem das flores ainda é mistério para a ciência
Darwin certa vez escreveu que a evolução delas continuava a ser "um abominável mistério".
Um presente inesperado
Ao ganhar de presente uma muda da minha flor preferida, a magnólia-rosa, nunca imaginaria a surpresa recebida...
Paisagismo: o florescer de uma profissão
Paisagismo: o florescer de uma profissão
Paisagismo do Futuro: Sustentabilidade verde
Jardins sustentáveis, ajudando as cidades a alcançarem a sustentabilidade. Qual a importância das áreas verdes nas cidades e conceitos de jardins sustentáveis.
A Sabedoria do Jardineiro
O jardineiro representa a melhor metáfora para designar o perfil de um novo profissional.
Abandono e incompreensão ameaçam legado de Burle Marx
No centenário de nascimento do célebre paisagista,especialistas cobram atenção a sua obra.
Para evitar uma barbárie na destruição da orla marítima no município da Penha - SC.
Apoio de paisagistas conscientes.
Substitua as espécies invasoras de seu jardim
A escolha adequada das plantas é essencial para que não haja nenhum dano ao meio ambiente.
Somos o que somos, mas amamos o que fazemos
Consegui me apaixonar por uma outra profissão: a de paisagista.
A lição do Jardineiro
Uma boa lição para nós! Como o jardineiro sábio, cuidamos das mudinhas das afeições com carinho e as deixamos florescer.
A criança e o jardineiro
Ensinamento.
O seu jardim determina a sua energia
Quando cultivamos uma planta, estamos na realidade cuidando de uma semente de energia.
A flor dos reis
Ao maior dos reis, leve um feixe de orquídeas.
Mais alimento e florestas no ar
Avidez das plantas por gás carbônico abre perspectivas de produzir mais alimento em menos espaço e de amenizar o aquecimento global.
Meu jardim, meu jardineiro. Minha estética e minhas verdades.
O brasileiro não percebe o verdadeiro sentido e importância da conservação da natureza.
Envie seu artigo
Queremos convidar você para ajudar-nos a enriquecer as nossas publicações.
Paisagismo na arquitetura
Uma obra arquitetônica permite diálogo com a área externa.
Folhas e flores iluminam lugares habitáveis
Um lugar sem plantas, sem crianças é um ambiente sem vida, sem alegria.
Sobre Jardins
Leia este artigo, escrito, imaginem, a alguns séculos atrás.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br