Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
TerraCottem  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Se planejar por um ano, plante uma semente, por dez anos, plante uma árvore, por cem anos, eduque o povo.
 
 
 
 
 
O Paisagismo tem dono?

O paisagismo é uma atividade multidisciplinar e é por isso que diferentes profissionais atuam nesta área. É uma atividade complexa, pois consegue interagir em três distintos pilares: arte, ciência e técnica. A inclusão da arte é quando o criador consegue, através de suas emoções e sensibilidade, concretizar sua criação ou idéia com o domínio da matéria prima (papel, madeira, tinta, argila, planta, etc.). A ciência quando consegue justificar, explicar e relacionar a sua criação com os fenômenos da natureza, por exemplo: ciência do solo, clima, botânica, poluição, etc. E finalmente, a técnica que é o próprio exercício da ciência, por exemplo: semeadura, enxertia, aração, poda, etc. Uma delas até independe da graduação pessoal de quem exerce esta atividade, que é a arte. O sentimento artístico não é exclusivo de quem faz algum curso de artes. É claro que, quem faz algum curso desta natureza é muito mais estimulado a desenvolver seus dons artísticos do que outros sem nenhum contato com o mesmo. Mas, não se deve esquecer dos autodidatas, que são artistas natos.
 
o paisagismo, resultado da interação da arte, ciência e técnica adquirida ou nata, não pode ser esquecido o fator primordial para o seu manuseio, que é a sua matéria prima - a vegetação. Todo e qualquer profissional que é habilitado a exercer suas atividades com sucesso, precisa conhecer profundamente sua matéria prima. Sem este conhecimento fica difícil ou até impossível atingir quaisquer que sejam os efeitos desejados.
 
Quando se trata de vegetação no paisagismo, que é um elemento vivo, suas relações e seu comportamento não são tão previsíveis como outros elementos arquitetônicos constituídos de matéria prima como: madeira, cimento, ferro, borracha e outros. A vegetação, por ser um elemento vivo, está em constante mudança de cor, tamanho, forma, exigências nutricionais, umidade e luz. Todas estas alterações podem estar intrinsecamente associadas aos processos fisiológicos ou a uma reação às condições ambientais em que as plantas estão submetidas. Sendo assim, mesmo que um profissional leve em consideração uma série de fatores que podem afetar o desenvolvimento das plantas, poderão surgir situações consideradas imprevisíveis. No meio urbano, por exemplo, devido suas características complexas, muitas reações das plantas ao meio podem ainda não ter sido experimentadas e analisadas.
 
Vários exemplos de fracassos e /ou erros grosseiros em projetos paisagísticos podem ser observados, quando estes aspectos não são considerados, tais como:
 
a) falta de harmonia das plantas quanto às exigências de umidade em composição paisagística (musgo com cacto);
 
b) falta de conhecimento quanto às exigências de luz, utilizando-se plantas de sombra no sol e vice-versa;
 
c) desconhecimento básico sobre solo, colocando-se plantas para desenvolver em restos de construção;
 
d) desconhecimento do sistema radicular das plantas, colocando árvores em jardineiras rasas;
 
e) desconhecimento da necessidade de um sistema de drenagem em vasos;
 
f) falta de conhecimento do hábito de crescimento das plantas, principalmente em pergolados e jardineiras pendentes;
 
g) falta de conhecimento da altura e diâmetro de copa de árvores, colocação de plantas maiores na frente de plantas menores numa composição ou próximo à estrutura urbana como calhas e alicerces;
 
h) falta de conhecimento das necessidades fisiológicas da vegetação, cimentando toda a base das plantas, isto acontece principalmente com o plantio de bambus.
 
Com estes exemplos, surge uma questão: o que é mais importante, bonito no papel ou bonito no jardim? O bom seria os dois aspectos. Mas, sem sombra de dúvida, o que mais compromete a exeqüibilidade do projeto são os exemplos citados acima. Não se pode desvincular a elaboração ou criação do projeto com a implantação e manutenção da vegetação, repassando as responsabilidades para outros profissionais. O profissional que planeja, que se inspira, deve ter o conhecimento e a responsabilidade de todo elemento vivo que é colocado no projeto, inclusive os cuidados para sua plena permanência no local.
 
Sabe-se que, atualmente o acesso às informações sobre paisagismo (livro, revistas, apostilas e internet) é muito fácil mas não é como fazer o curso acadêmico, onde se tem contato com a arte, a ciência e a técnica. Os cursos que lidam com plantas e o seu habitat, durante o período de cinco anos, são Engenharia Florestal e Engenharia Agronômica. Mesmo assim, os profissionais destes cursos não são habilitados a assinar um projeto de paisagismo, segundo o CREA (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura).
 
Daí surgem outras questões: por que os cursos de Especialização em Paisagismo são abertos para todos os profissionais, se só quem pode assinar um projeto de paisagismo é um arquiteto?
 
Nota-se que é preciso rever estes valores junto ao CREA para que a habilitação do profissional seja confrontada com a experiência acadêmica (currículo acadêmico). E quanto à competência do profissional, isto o público saberá como aprovar e convalidar sua carreira.

 
Fonte: artigo publicado originalmente em www.floresta.ufpr/~paisagem




 
 
 
 
 
 
A arte de cultivar virtudes
O garoto, de 4 anos de idade, aprendia a cultivar e a cuidar das plantas com o exemplo do seu avô.
Queda de árvores e soluções
Artigo enviado pelo autor José Roberto dos Santos, que tem 35 anos de experiência trabalhando como jardineiro.
Morar em um condomínio é viver no Jardim do Éden?
Talvez a idéia que temos do Paraíso seja bem próxima de um lugar protegido do caos exterior ....... Por Raul Cânovas
A crise e o estresse
Uma das formas mais interessantes de combater o estresse é a de se relacionar melhor com a natureza.
O dia em que a terra brotou
Hoje busco pessoas que acreditam em mudanças para uma grande mobilização social voltada para a educação ambiental.
Curiosidade infantil
Planta sente dor? A criança me fitou e disse: "É pro senhor mesmo que perguntei!"
Vc sabe o que é Biomimética?
É uma nova ciência que nos convida a aprender com a natureza.
Paisagismo e seus estilos
Para definir o jardim que queremos em nossa residência, além de termos o cuidado da escolha de um bom profissional, temos que ter em mente a variedade de opções, estilos e técnicas de plantio.
Qualidade de vida pela arborização
Um exemplo a ser seguido em uma cidade de Angola na África.
Coitadas das nossas árvores, coitadas de nossas calçadas
Caminhando pelas calçadas de nossas cidades, quase sempre danificadas por buracos e dos mais variados obstáculos, vemos as árvores.
Origem das flores ainda é mistério para a ciência
Darwin certa vez escreveu que a evolução delas continuava a ser "um abominável mistério".
Um presente inesperado
Ao ganhar de presente uma muda da minha flor preferida, a magnólia-rosa, nunca imaginaria a surpresa recebida...
Paisagismo: o florescer de uma profissão
Paisagismo: o florescer de uma profissão
Paisagismo do Futuro: Sustentabilidade verde
Jardins sustentáveis, ajudando as cidades a alcançarem a sustentabilidade. Qual a importância das áreas verdes nas cidades e conceitos de jardins sustentáveis.
A Sabedoria do Jardineiro
O jardineiro representa a melhor metáfora para designar o perfil de um novo profissional.
Abandono e incompreensão ameaçam legado de Burle Marx
No centenário de nascimento do célebre paisagista,especialistas cobram atenção a sua obra.
Para evitar uma barbárie na destruição da orla marítima no município da Penha - SC.
Apoio de paisagistas conscientes.
Substitua as espécies invasoras de seu jardim
A escolha adequada das plantas é essencial para que não haja nenhum dano ao meio ambiente.
Somos o que somos, mas amamos o que fazemos
Consegui me apaixonar por uma outra profissão: a de paisagista.
A lição do Jardineiro
Uma boa lição para nós! Como o jardineiro sábio, cuidamos das mudinhas das afeições com carinho e as deixamos florescer.
A criança e o jardineiro
Ensinamento.
O seu jardim determina a sua energia
Quando cultivamos uma planta, estamos na realidade cuidando de uma semente de energia.
A flor dos reis
Ao maior dos reis, leve um feixe de orquídeas.
Mais alimento e florestas no ar
Avidez das plantas por gás carbônico abre perspectivas de produzir mais alimento em menos espaço e de amenizar o aquecimento global.
Meu jardim, meu jardineiro. Minha estética e minhas verdades.
O brasileiro não percebe o verdadeiro sentido e importância da conservação da natureza.
Envie seu artigo
Queremos convidar você para ajudar-nos a enriquecer as nossas publicações.
Paisagismo na arquitetura
Uma obra arquitetônica permite diálogo com a área externa.
Folhas e flores iluminam lugares habitáveis
Um lugar sem plantas, sem crianças é um ambiente sem vida, sem alegria.
Sobre Jardins
Leia este artigo, escrito, imaginem, a alguns séculos atrás.
Lar verde lar
Imagine morar em harmonia com a natureza.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br