Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
TerraCottem  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
O dia de ontem é uma história, o dia de amanhã é um mistério, o dia de hoje é um presente.
 
 
 
 
 
Acordo prepara fundos para conservar genética de plantas

Um acordo internacional com o objetivo de proteger e melhorar o acesso aos recursos genéticos de plantas do mundo está pronto para distribuir sua primeira leva de fundos para pesquisas em meio a problemas de fluxo de caixa que poderiam comprometer verbas futuras.

Os fundos, que irão apoiar a pesquisa de novas variedades de plantas e esforços de conservação de países em desenvolvimento, marcam o quinto aniversário da adoção do Tratado Internacional de Recursos Genéticos de Plantas para Alimentos e Agricultura da Organização Alimentar e Agrícola das Nações Unidas.

O tratado é melhor conhecido por seu papel na viabilização da construção do Silo Global de Sementes de Svalbard na Noruega - uma caverna subterrânea que contém um estoque de sementes de plantas do mundo.


O Silo Global de Sementes de Svalbard, na Noruega, é considerado como a Arca de Noé das plantas do mundo


Cerca de 120 países fazem parte do tratado e aqueles que o ratificaram são legalmente autorizados a transmitir informações genéticas sobre cerca de 64 das mais importantes plantas para consumo do mundo, incluindo batata e trigo - tornando a informação livremente disponível a pesquisadores, geneticistas de plantas e agricultores. Essa informação pode ser armazenada em bancos genéticos ou na forma de plantas cultivadas no campo de um agricultor, por exemplo.

O tratado também dá suporte financeiro a comunidades agrícolas do mundo em desenvolvimento. Isso significa que esses países podem custear a manutenção do cultivo de plantas tradicionais e mais geneticamente diversificadas, ao invés de abandoná-las em favor de variedades modernas e melhoradas - mas também uniformes.
A manutenção da diversidade é essencial para pesquisadores e geneticistas de plantas que buscam safras que possam suportar os efeitos da mudança climática ou de novas doenças.

Tempo de espera

Em um encontro que acontecerá em Tunis, Tunísia, o conselho diretor do tratado deverá doar um total de US$   250 mil a cerca de quatro a sete projetos de pesquisa e de conservação de plantas. Por exemplo, um dos projetos que requisitou financiamento vem de uma comunidade agrícola nos Andes do Peru, uma área que possui o maior índice de diversidade de batatas do mundo. Eles esperam que o financiamento os ajude a adaptar suas estratégias de cultivo às temperaturas cada vez mais altas vivenciadas por eles, como resultado da mudança climática.

O tratado está agora enfrentando desafios financeiros, diz Shakeel Bhatti, secretário do conselho diretor. Seu objetivo de longo prazo é gerar fundos para projetos de pesquisa e conservação através da receita oriunda da comercialização de produtos, como novas variedades de plantas, desenvolvidas usando material genético obtido pelo tratado. Qualquer um que faz uso do material genético do tratado em produtos patenteados e comercializados deve concordar em dar de volta ao fundo 1,1% das vendas do produto.

"Existe um tempo de espera de cerca de 10 a 15 anos até um produto comercial ser desenvolvido e royalties começarem a circular", diz Bhatti. O tratado também depende de doações dos países signatários, empresas e instituições de caridade participantes. Mas até agora, apenas Noruega, Espanha, Itália e Suíça contribuíram. Como resultado, o fundo atualmente possui US$   500 mil, o que significa que apenas uma parte dos 500 projetos (que totalizam US$   20 milhões) podem ser financiados.

Bhatti afirma que o financiamento limitado para pesquisa e conservação é "uma grande preocupação" para a segurança dos alimentos do mundo no futuro. Ele irá buscar um acordo com o conselho diretor do tratado na reunião desta semana para lançar uma campanha com o objetivo de arrecadar US$   116 milhões ao longo dos próximos cinco anos.

"Pool" de genes global

Países que fazem parte do tratado criaram por meio dele 1,1 milhão de amostras genéticas disponíveis e cerca de 200 mil trocas de material genético acontecem todos os anos - mostrando que o tratado tem sido um sucesso até agora, diz Bert Visser, diretor do Centro para Recursos Genéticos de Wageningen, Holanda. "O tratado permitiu a criação de um pool de genes global", ele diz.

David Ellis, curador do Programa de Preservação de Recursos Genéticos de Plantas do serviço de pesquisa do Departamento de Agricultura dos EUA, diz que se tornou "uma prática padrão o acesso e a troca de material genético por meio do tratado." Ele acrescenta que o tratado também tem sido útil para esclarecer os termos e condições sob os quais o lucro pode ser obtido com o material que é trocado. Os Estados Unidos são signatários do tratado, mas ainda não o ratificaram.

Nenhum esforço de pesquisa ou de cultivo de plantas de um país iria muito longe sem a capacidade de acessar e utilizar recursos genéticos mundiais, Visser diz: "Todo mundo precisa de algo dos outros”.

NATASHA GILBERT
Da Nature

Tradução: Amy Traduções



Fonte de pesquisa: Nature News















 
 
 
 
Jardins do diabo: a árvore amazônica que abriga um 'exército assassino' (novo)
Em meio à densidade da Floresta Amazônica existem clareiras misteriosas que contrastam com a diversidade da vegetação. - Postada em 13 julho 2017
Plantas invasoras
Uma planta que se desenvolve em um local diferente do lugar original é chamada de espécie introduzida ou exótica. - Postada em 16 junho 2017
As plantas ouvem
As raízes das plantas percebem os sons provenientes das fontes hídricas e escolhem aquela direção para se nutrir, crescer e se desenvolver.
Terracottem - uma revolução para as plantas
Diminui a necessidade de irrigação em até 75%, aumenta em até 60% a eficácia dos nutrientes, reduz os custos com mão de obra, plantio e manutenção entre 25 a 75%. Os custos de reposição levam a uma redução na mortalidade de plantas entre 20 e 100%.
Primeira floresta vertical da Ásia terá 3 mil plantas e capacidade de gerar 60 Kg de oxigênio por dia (novo)
É a retomada do verde nas cidades.
Plantas que produzem eletricidade, um sonho que vira realidade
Um arrozal capaz de produzir eletricidade dia e noite para uma aldeia isolada da Ásia é um sonho que toma forma na Holanda, com um sistema gerador de energia usando plantas que crescem em ambientes alagados.
Portal Paisagismo Brasil - 14 anos
Muito nos orgulhamos do que nasceu de um sonho, informar e conscientizar as pessoas com relação a temas ligados à natureza.
Dicas sustentáveis para afastar os mosquitos de sua residência e quintal
Nunca é demais repetir sempre, todos os cuidados que se deve ter com este inimigo tão pequeno e incômodo.
Seis tipos de plantas funcionam como repelentes naturais de insetos
A melhor opção, mais saudável e ecológica, é criar plantas que repelem insetos em seu jardim.
Startup paulista cria sensor que ajuda esquecidos a regar plantas
Dispositivo mostra uma luz vermelha quando solo está seco. Ao molhar a terra, aparelho fica verde.
Na briga contra o Aedes botânicos pedem deixem as bromélias em paz
De vilã a heroína: especialistas defendem que as plantas ajudam o homem no combate.
Adote uma planta ameaçada
O Jardim Botânico de IBUNAM no México tem esta iniciativa.
Floresta Amazônica está doente com muito sol e falta d'água
Pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG investigam espécies submetidas a severas condições de estresse ambiental, com excesso de sol e falta d'água.
Encontrado o gene responsável pela reação das plantas ao toque
Plantas sujeitas a stress mecânico causado, por exemplo, pelo toque, não podendo fugir, adaptam-se fisiológica e morfologicamente para sobreviver.
Produtores de flores e plantas ornamentais expandem produção
Brasil é o terceiro maior produtor e segundo maior exportador mundial do setor.
Planta africana contém substância eficiente contra dependência química
A ibogaína é pelo menos cinco vezes mais eficiente para interromper a dependência química do que tratamentos convencionais.
Lançamento do livro PAISAGISMO (S) NO BRASIL
21 de 0utubro de 2014 de Rubens de Andrade.
As recém descobertas habilidades vegetais
Como as plantas "falam" umas com as outras.
Estudo ajuda a desvendar a linguagem das plantas
Nova pesquisa descobriu particularidades genéticas relacionadas à produção de compostos químicos que permitem a comunicação entre as plantas.
Humanidade aumenta reservas de grãos perante cataclismos iminentes
O maior acervo de plantas agrícolas no mundo foi completado por sementes de 20 mil plantas, procedentes de 100 países.
Nasa planeja cultivar vegetais na Lua em 2015
Nasa vai dar o primeiro passo para que, no futuro, o homem permaneça por períodos mais longos no espaço.
Curso: Aprenda a cuidar de suas plantas - FLORIANÓPOLIS - SC
No Jardim do Rancho - Espaço Natural para Eventos
Dia Nacional do Paisagista
04 de outubro
Primavera
Primavera da vida, mudança na natureza e nas pessoas.
Dia da árvore
É nossa responsabilidade protegê-las!
Plantas e animais podem perder metade de seu espaço vital com aquecimento global
O aumento das emissões de gás de efeito estufa colocam o planeta em uma trajetória de aquecimento.
Aplicativo mapeia árvores urbanas para controlar a saúde das plantas
O uso a tecnologia para classificar as espécies da floresta urbana.
Telhados vivos são solução para a falta de verde nas grandes cidades
Que tal ter uma área verde extra onde você mora ou trabalha.
Plantas que brilham no escuro podem mudar a forma com que produzimos luz
A ideia é identificar os genes de algas bioluminescentes.
Plantas podem ouvir umas as outras, indica estudo
Plantas usam um mecanismo desconhecido para detectar outras plantas quando todas as vias de comunicação estão bloqueadas exceto o som.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br