Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
TerraCottem  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Os jardins devolvem às pessoas o verde que a cidade lhes roubou - Roberto Burle Marx
 
 
 
 
 
Cientistas alemães pesquisam "funções cerebrais" nas raízes das plantas

Plantas podem ser mais inteligentes do que parecem. Elas não têm cérebro como os animais, mas desempenham funções semelhantes às cerebrais, argumentam cientistas alemães.

Em conjunto com a equipe de pesquisadores de Stefano Mancuso, de Florença, na Itália, o cientista Frantisek Baluska, de Bonn, descobriu, em raízes vegetais, funções semelhantes às cerebrais. Estruturas citológicas, analisadas com auxílio de um microscópio, se assemelham a células cerebrais animais, afirmam os cientistas. "Esta pesquisa está, todavia, no começo", salienta Baluska. Por isso, ele prefere não falar de um "cérebro vegetal", mas usar a expressão "central de comando".

Como bolsista da Fundação Humboldt, o eslovaco Frantisek Baluska veio pela primeira vez à Alemanha nos anos de 1990. Hoje, ele pesquisa como livre docente nas universidades de Bonn e Bratislava. Para explicar o conteúdo de sua pesquisa, Baluska mostra, na tela de seu computador, a representação esquemática da extremidade de uma raiz.

Células da ponta da raiz
As linhas desenhadas sobre a imagem se assemelham, na tela do computador de Baluska, a um circuito. O cientista chama a atenção para uma determinada zona: uma camada de células acima da extremidade da raiz. Ele explica que tais células têm propriedades semelhantes àquelas do cérebro animal. São células muito ativas, embora não cresçam nem desempenhem outras funções especiais.

Elas transportam ínfimas bolhinhas (vesículas), preenchidas com substâncias, de um lado a outro. Microfilamentos de proteínas (filamentos de actina) conduzem as vesículas de transporte através das células. Trata-se dos mesmos filamentos de proteínas do esqueleto celular, responsáveis pelo movimento dos músculos tanto nos animais quanto no ser humano.

"Algumas estruturas que encontramos remontam às sinapses, pontos de transmissão de estímulos entre as células nervosas", explica Baluska. Ali são trabalhadas informações que influenciam diretamente o comportamento das raízes. As extremidades das raízes registram, por exemplo, a presença de luz ou de alguma substância tóxica. A informação é então transportada para a região anterior à extremidade. Ali,  os dados são registrados e repassados para as zonas de crescimento da raiz. A partir deste momento,  a raiz passa, a saber, em que direção ela deve crescer e reage a essa informação dentro de apenas algumas horas.

"Essa forma de trabalho pouco se diferencia do cérebro no reino animal", afirma Baluska. O que acontece aqui no reino vegetal se assemelha a um sistema nervoso. Essa estrutura, segundo o cientista,  executa as mesmas tarefas, embora apresente uma constituição bastante distinta. Essa interpretação de Baluska costuma suscitar críticas freqüentes de outros especialistas.

Interação com mundo exterior
O botânico Hubert Felle, da Universidade de Giessen, por exemplo, também estuda sinais em tecidos vegetais. No entanto, ele se expressa de forma bem mais cuidadosa que Baluska. Há muitos anos, Felle vem medindo sinais elétricos nas folhas de diversas espécies de plantas.

No entanto, ele prefere não chamar isso de sistema nervoso botânico ou de neurobiologia vegetal. Felle, contudo, está também convencido de que as plantas utilizam sinais elétricos para reagir ao mundo exterior. Assim, elas têm a possibilidade de reagir a inimigos, como pulgões ou larvas.

Felle desenvolveu aparelhos especialmente para a pesquisa, com os quais consegue medir a transmissão de sinais elétricos. Com uma lâmina, ele provoca um "ferimento" numa folha de feijão, o que desencadeia um fluxo de impulsos elétricos de folha para folha. Felle salienta que não se pode falar aqui, contudo, de "dor" ou de "sensações vegetais".

Trata-se de sinais que possibilitam à planta uma reação de defesa. Segundo Felle, a velocidade desses sinais é, no entanto, relativamente baixa. Em um segundo, o sinal vegetal não consegue atingir nem mesmo um centímetro.

Nesse mesmo espaço de tempo, um sinal nervoso de um mamífero percorreria tranquilamente cem metros. Nas plantas, o envio de sinais é cerca de 10 mil vezes mais lento que nos animais. Resumindo: as plantas não são mais burras que os animais,   elas só vivem em outra esfera de tempo.


Autor: Michael Lange
















 
 
 
 
 
Jardins do diabo: a árvore amazônica que abriga um 'exército assassino' (novo)
Em meio à densidade da Floresta Amazônica existem clareiras misteriosas que contrastam com a diversidade da vegetação. - Postada em 13 julho 2017
Plantas invasoras
Uma planta que se desenvolve em um local diferente do lugar original é chamada de espécie introduzida ou exótica. - Postada em 16 junho 2017
As plantas ouvem
As raízes das plantas percebem os sons provenientes das fontes hídricas e escolhem aquela direção para se nutrir, crescer e se desenvolver.
Terracottem - uma revolução para as plantas
Diminui a necessidade de irrigação em até 75%, aumenta em até 60% a eficácia dos nutrientes, reduz os custos com mão de obra, plantio e manutenção entre 25 a 75%. Os custos de reposição levam a uma redução na mortalidade de plantas entre 20 e 100%.
Primeira floresta vertical da Ásia terá 3 mil plantas e capacidade de gerar 60 Kg de oxigênio por dia (novo)
É a retomada do verde nas cidades.
Plantas que produzem eletricidade, um sonho que vira realidade
Um arrozal capaz de produzir eletricidade dia e noite para uma aldeia isolada da Ásia é um sonho que toma forma na Holanda, com um sistema gerador de energia usando plantas que crescem em ambientes alagados.
Portal Paisagismo Brasil - 14 anos
Muito nos orgulhamos do que nasceu de um sonho, informar e conscientizar as pessoas com relação a temas ligados à natureza.
Dicas sustentáveis para afastar os mosquitos de sua residência e quintal
Nunca é demais repetir sempre, todos os cuidados que se deve ter com este inimigo tão pequeno e incômodo.
Seis tipos de plantas funcionam como repelentes naturais de insetos
A melhor opção, mais saudável e ecológica, é criar plantas que repelem insetos em seu jardim.
Startup paulista cria sensor que ajuda esquecidos a regar plantas
Dispositivo mostra uma luz vermelha quando solo está seco. Ao molhar a terra, aparelho fica verde.
Na briga contra o Aedes botânicos pedem deixem as bromélias em paz
De vilã a heroína: especialistas defendem que as plantas ajudam o homem no combate.
Adote uma planta ameaçada
O Jardim Botânico de IBUNAM no México tem esta iniciativa.
Floresta Amazônica está doente com muito sol e falta d'água
Pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG investigam espécies submetidas a severas condições de estresse ambiental, com excesso de sol e falta d'água.
Encontrado o gene responsável pela reação das plantas ao toque
Plantas sujeitas a stress mecânico causado, por exemplo, pelo toque, não podendo fugir, adaptam-se fisiológica e morfologicamente para sobreviver.
Produtores de flores e plantas ornamentais expandem produção
Brasil é o terceiro maior produtor e segundo maior exportador mundial do setor.
Planta africana contém substância eficiente contra dependência química
A ibogaína é pelo menos cinco vezes mais eficiente para interromper a dependência química do que tratamentos convencionais.
Lançamento do livro PAISAGISMO (S) NO BRASIL
21 de 0utubro de 2014 de Rubens de Andrade.
As recém descobertas habilidades vegetais
Como as plantas "falam" umas com as outras.
Estudo ajuda a desvendar a linguagem das plantas
Nova pesquisa descobriu particularidades genéticas relacionadas à produção de compostos químicos que permitem a comunicação entre as plantas.
Humanidade aumenta reservas de grãos perante cataclismos iminentes
O maior acervo de plantas agrícolas no mundo foi completado por sementes de 20 mil plantas, procedentes de 100 países.
Nasa planeja cultivar vegetais na Lua em 2015
Nasa vai dar o primeiro passo para que, no futuro, o homem permaneça por períodos mais longos no espaço.
Curso: Aprenda a cuidar de suas plantas - FLORIANÓPOLIS - SC
No Jardim do Rancho - Espaço Natural para Eventos
Dia Nacional do Paisagista
04 de outubro
Primavera
Primavera da vida, mudança na natureza e nas pessoas.
Dia da árvore
É nossa responsabilidade protegê-las!
Plantas e animais podem perder metade de seu espaço vital com aquecimento global
O aumento das emissões de gás de efeito estufa colocam o planeta em uma trajetória de aquecimento.
Aplicativo mapeia árvores urbanas para controlar a saúde das plantas
O uso a tecnologia para classificar as espécies da floresta urbana.
Telhados vivos são solução para a falta de verde nas grandes cidades
Que tal ter uma área verde extra onde você mora ou trabalha.
Plantas que brilham no escuro podem mudar a forma com que produzimos luz
A ideia é identificar os genes de algas bioluminescentes.
Plantas podem ouvir umas as outras, indica estudo
Plantas usam um mecanismo desconhecido para detectar outras plantas quando todas as vias de comunicação estão bloqueadas exceto o som.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br