Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Se planejar por um ano, plante uma semente, por dez anos, plante uma árvore, por cem anos, eduque o povo.
 
 
 
 
 
O luxo do lixo ao alcance dos brasileiros

Descobrir formas de aproveitamento para as toneladas de lixo urbano produzidas diariamente tem movido diversos pesquisadores. Com o apoio da FAPERJ, um consórcio de especialistas do Brasil e da Suécia acaba de descobrir um uso inédito para o lixo orgânico: seu emprego na biorremediação – despoluição por meio de microorganimos, como bactérias e fungos – de solos contaminados por petróleo e derivados. “Nossos experimentos mostraram que o lixo orgânico tratado por compostagem pela Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) e com qualidade monitorada – ou seja, com níveis de metais dentro do que é permitido pela legislação – pode ser empregado para despoluir solos” afirma Sérgio Machado Corrêa, doutor em química e professor da Faculdade de Tecnologia da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) na cidade de Resende, Sul Fluminense. Junto com sua colega Marcia Marques Gomes, doutora em engenharia química e professora da Uerj no Rio de Janeiro, ele coordena o estudo Remediação de Solos Contaminados com Petróleo e Derivados.

O estudo busca investigar a eficácia das técnicas de biorremediação e também de fitorremediação – uso de plantas para despoluição de áreas – no tratamento de solos poluídos por vazamentos de petróleo, borra oleosa, diesel, mistura de diesel com biodiesel e óleos lubrificantes usados nos solos das estradas fluminenses. “Nesse processo, tanto os microorganismos do solo isoladamente, quanto aqueles associados às raízes das plantas promovem a degradação do óleo derramado no solo. Ou seja, eles se alimentam do carbono presente no combustível pra poderem sobreviver e crescer. Desta forma, despoluem o solo.

Algumas plantas também são capazes de extrair e imobilizar metais pesados que contaminam os solos” explica Marcia. “Num experimento em que 1,2% de Oil Gator – produto industrial dentre os mais utilizados internacionalmente para remediação de solo e água contaminados com óleo – e 10% de composto de lixo foram testados em reatores distintos com solos contaminados, o rejeito da Comlurb apresentou resultados superiores” prossegue.

Além da Uerj, o grupo de pesquisa inclui pesquisadores das universidades de Kalmar, de Lund e de Kristianstad – as três na Suécia -, a doutora Maria Luiza Araújo e técnicos da Pesagro-Rio (Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro) e da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). “A parceria internacional existe desde 2004. Já no final da década de 90, quando fiz o doutorado na Suécia, percebi que poderia adaptar alguns resultados das pesquisas à realidade brasileira. Na Europa, estima-se a existência de pelo menos 2 milhões de sítios contaminados. No caso brasileiro não temos estimativas, mas devido à grande circulação de caminhões para transporte de mercadorias em nossas rodovias e aos vazamentos em sistemas de armazenamento (postos de gasolina, etc), concluí que devíamos nos preocupar com métodos de baixo custo de remediação de áreas contaminadas com petróleo e seus derivados”, explica a pesquisadora.

Algumas espécies de vegetais se mostraram eficientes aliadas na remediação dos solos - No caso da fitorremediação, os experimentos desenvolvidos em conjunto com a Pesagro-Rio já estão adiantados. “Em junho 2008 encerramos a segunda rodada dos testes de toxicidade na fase de germinação e crescimento inicial das plantas. Nesses testes, com concentrações crescentes de óleo no solo, verificamos quais espécies que se mostram tolerantes à presença do contaminante e em quais concentrações” afirma Sérgio Corrêa. “As espécies estudadas incluem plantas nativas de Mata Atlântica, espécies utilizadas na recuperação de áreas degradadas e produtoras de biodiesel, além da braquiária – comumente encontrada em beira de estrada” acrescenta Marcia.

Várias espécies vegetais mostraram potencial para remediação dos solos. Porém o químico Sérgio Corrêa ressaltou os cuidados que devem ser tomados quando espécies comestíveis são utilizadas. Segundo o pesquisador, os testes mostraram o excelente potencial da mamona e do girassol – que além de úteis na despoluição, servem para a produção de biodiesel. Ele acrescenta ainda que a utlização dessas plantas enfraquece a crítica de que a produção de biocombustíveis reduz áreas agrícolas que seriam utilizadas para o cultivo de alimentos.

“Nossa pesquisa faz essa tese cair por terra. A mamona e o girassol são capazes de germinar em áreas contaminadas – ou seja, impróprias para a produção de alimentos” explica Corrêa. “A idéia agora é investigar os processos que ocorrem dentro das plantas quando em contato com o óleo lubrificante usado no solo. Para isso, faremos um amplo experimento com vasos de dois quilos em casa de vegetação” completa.

Na área da biorremediação, um novo experimento será conduzido e concluído nos próximos sete meses. Os pesquisadores envolvidos no processo construíram três biorreatores – aparelho usado para simular em escala piloto, pesquisas envolvendo processos biológicos – com capacidade para 200 litros cada. Nos experimentos, em cada um dos aparelhos são colocados partes de solos contaminados com diferentes aditivos e inóculos – inclusive o composto de lixo - para serem testados na degradação dos hidrocarbonetos de petróleo. “Temperatura, umidade e vazão de ar são monitorados regularmente e a cada 30 dias, retiramos amostras para analisarmos os resultados” explica Marcia.

A expectativa dos pesquisadores é que, ao final do estudo, as conclusões sirvam para subsidiar políticas públicas e solucionar danos ambientais. “A idéia é que as secretarias estaduais e municipais de meio ambiente e seus órgãos públicos de fiscalização – como a Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (Feema), por exemplo, possam no futuro elaborar manuais de procedimento para o caso de vazamentos e acidentes com petróleo e derivados nas estradas, em áreas de processamento do óleo, etc. Com isso, os danos poderão ser solucionados de forma mais rápida e com maior eficácia”, concluem os pesquisadores.


Por: Vinicius Zepeda/Faperj



Fonte de pesquisa: Portal Fator Brasil






 
 
 
 
Turismo sustentável: uma equação difícil de ser fechada (novo)
A Organização das Nações Unidas declarou que 2017 é o ano Internacional do Turismo Sustentável.
O real valor das árvores (novo)
Por que as árvores são essenciais na melhora da qualidade de vida.
Freqüentadores de parque adotam floreiras e passam a cuidar das plantas
Cada adotante recebeu uma ficha informativa com os cuidados que sua planta necessita e também um certificado de Amigo do Parque.
Plantas reagem ao aquecimento global e lançam gases que ajudam a moderar a temperatura (novo)
Pesquisadores comprovam que o aumento nas temperaturas do planeta faz com que as plantas emitam mais gases na atmosfera.
Cientistas descobrem plantas microscópicas no Oceano Ártico
É como se eles tivessem descoberto uma floresta amazônica submersa no Oceano Ártico.
Plantas abundantes na região amazônica contribuem para a recuperação de solos degradados
Trabalho desenvolvido por pesquisador com plantas, demonstra a capacidade das mesmas de melhorar solos de áreas prejudicadas pela ação do ser humano.
Plantas podem ajudar a tratar o esgoto doméstico
É possível purificar a água em até 95% e reutilizá-la.
Britânicos recriam a Amazônia na região da Cornualha na Grã-Bretanha
Experiência cultiva espécies em cúpulas gigantes e climatizadas, por onde turistas caminham e experimentam a sensação de contato com a floresta.
Água. O diamante azul.
Falta de água. Esse é o principal desafio do Século 21.
Vale a pena neutralizar carbono?
Há quem busque a neutralização de carbono por puro marketing.
Entender o lixo nosso de cada dia
Consideramos lixo aquilo que não tem mais utilidade nenhuma, o que jogamos fora.
Em nome da flora nativa reservas se rendem a agrotóxico
Ameaçadas por pragas, reservas ecológicas no país estão fazendo testes com agrotóxicos com o objetivo de garantir a sobrevivência de espécies nativas.
Florestas tropicais
As florestas tropicais próximas ao Equador terrestre são as que contêm o maior número de espécies animais e vegetais.
Solo degradado pode ser recuperado com plantas nativas
Em ambientes contaminados as plantas podem apresentar distúrbios fisiológicos e nutricionais.
Plantio de árvores e idéias
Quem planta uma árvore assim como ocorre em tantas ações humanas, ao longo da vida desenvolve um vínculo inesgotável com aquilo que produz.
Flora em perigo
Amazônia: uso alterado do solo ameaça plantas.
Biodiversidade da Amazônia
Na Amazônia vivem e se reproduzem mais de um terço das espécies existentes no planeta.
O mentor da Revolução Verde
Embora pouco conhecido no Brasil, benfeitorias não faltam para lhe credenciar aos que ajudaram a mudar o mundo para melhor.
Um planeta sustentável começa dentro de casa
A única saída é educar e estabelecer regras que comecem dentro de sua própria casa.
É uma folha? Uma planta? Não, é um animal!
Seis novos animais (que mais parecem plantas) foram descobertos na Antártica.
O Perigo da poluição da água
A poluição da água traz conseqüências muito graves aos seres vivos.
Estocolmo é verde com louvor
Conheça as ações sustentáveis que tornaram Estocolmo a primeira cidade mais verde da Europa
Chuva problema ou solução?
Enchentes são cada vez mais freqüentes no Brasil e no mundo.
Certificação florestal e sua importância ecológica
As técnicas de manejo florestal requeridas pelo FSC são para aumentar a produtividade da floresta.
Água
Menos de 2% da água que existe no mundo pode ser usada pelo ser humano.
Nova York quer telhados verdes
A prefeitura de Nova York criou subsídios para estimular moradores e empresas a plantarem hortas urbanas no telhado das casas e prédios comerciais.
Amazônia pode perder 4.550 espécies de plantas
As plantas correm risco de desaparecer devido ao uso do solo da região para agricultura e pecuária.
Dicas para proteção ao meio ambiente
Veja o que você pode fazer para ajudar.
Florestas correm risco de parar de 'filtrar' carbono, diz estudo
Especialistas alertam para danos provocados se temperatura terrestre subir 2,5 C.
França adota carroças contra aquecimento global
Ccidades francesas estão substituindo veículos motorizados por carroças puxadas por cavalos para realizar serviços públicos.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br