Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
TerraCottem  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Se planejar por um ano, plante uma semente, por dez anos, plante uma árvore, por cem anos, eduque o povo.
 
 
 
 
 
No outono hora de preparar o futuro

O outono pode parecer melancólico, com as folhas caindo. Para quem prestar atenção no ciclo natural, é, no entanto, uma estação de alegria, pois nele começa a grande alquimia da vida. Ele nos convida a juntar folhas mortas, a brincar com elas e, finalmente, a preparar uma composteira, deixando que apodreçam para fornecer o adubo para a próxima primavera.

Vamos começar brincando com essas folhas, recuperando um pouco da alegria de quando saíamos para ir ao colégio e pisávamos em todas as folhas caídas que encontrávamos para escutar o barulhinho que faziam.



A primeira parte da brincadeira é ver que folhas já estão amareladas em sua vida espiritual  se quiser, pode ser mais ambiciosa/o, como toda criança, e procurar que folhas estão amareladas nos vários aspectos de sua vida.

Folhas secas são interessantes, pois aparentemente não servem para nada. No entanto são a força necessária para uma nova vida. Sem folhas secas, as florestas não teriam o alimento de que precisam. Elas nos ensinam uma lição básica, que muitas vezes esquecemos: para que o novo nasça, precisa que o antigo morra. Isso não significa sumir, desaparecer com o antigo. Não porque ele se transforma na nova vida, na medida em que a alimenta.

E o outono é a época onde começa essa linda alquimia. Quem tem jardim, aproveita. Desfruta dos tons dourados do outono, que vão pintando a natureza. Escuta o som suave das folhas que caem, uma sinfonia discretíssima que é deliciosa para os ouvidos atentos.

Além da beleza das folhas secas, há a chance de ter, de graça, todo o alimento que precisará para o solo para ter lindas flores na primavera. E a cada dia junta-se agradecidamente as folhas que caem.

Recolhendo as folhas secas

Faça o mesmo com a sua vida espiritual. Escreva uma lista do que não precisa mais. Você se agarra a superstições que a/o incomodam? Vive dizendo que irá freqüentar alguma igreja, mas jamais o faz? Ou participa de algum grupo espiritual que acha que não acrescenta mais nada a seu crescimento? Diz que amanhã sem falta começará a rezar todos os dias e nada de começar? Anote, em um papel, todas as suas “folhas secas”.

Agora começa a brincadeira. Dê uma volta e junte tantas folhas secas, quanto as que anotou em sua lista. Faça dessa caminhada uma atividade prazerosa. Escolha folhas bonitas. Depois, sente-se em um momento de calma com todas as suas folhas. Escreva, em cada uma delas, um item de sua lista de “folhas secas espirituais”. Faça isso com a concentração e sabedoria que uma criança dedicaria à tarefa. Quem sabe a folha de plátano combina mais com a preguiça de rezar todos os dias? E a de paineira, é a cara do grupo de oração que você freqüenta não por fé, mas por inércia e medo de romper com os amigos? Que cor de caneta é parecida com a preguiça de rezar? Tome cada uma dessas decisões com a seriedade de alguém que tem três anos – lembre-se de que as crianças é que irão para o paraíso, como dizia Jesus.

Depois que completar a “inscrição de folhas secas”, guarde-as por alguns dias, e sempre que puder dê uma olhada nelas. Enquanto isso escolha um vaso bonito e separe um pouco de terra e umas pedrinhas. Escolha também uma data significativa. Pode ser o dia do mês em que você nasceu. Pode ser a lua nova. Pode ser um domingo. Qualquer dia é dia, desde que você o considere significativo.

Nesse dia, faça o enterro simbólico de suas folhas secas, sabendo que estão se preparando para ressurgir. Coloque algumas pedrinhas no fundo do vaso, um pouco de terra. Coloque folha por folha, prestando atenção no que está deixando para trás. A cada folha, jogue um pouquinho de terra em cima. Complete o vaso com terra. Não plante nada ainda neste vaso. Ele está em processo de preparação, assim como você. Mas vá pensando na próxima etapa, que é escolher o que irá plantar.

Pense em uma única prática espiritual que gostaria de, realmente, adotar. Só uma, e bem simples. Nada de se impor grandes mudanças, milagres, transformações súbitas. Aprenda com a natureza a trabalhar devagar. Você terá até o meio do inverno para escolher essa prática. Quando chegar a época do plantio, enviarei um lembrete que está na hora. Até lá, suas folhas terão apodrecido, e estarão prontas para gerar vida.

Não se esqueça, entretanto, de regar o vaso. Não precisa ser diariamente, pode ser a cada dois dias, ou três. Talvez brotem inços – é parte do processo dos jardins. Arranque-os e os deixe sobre a terra, ou os enterre – afinal, eles representam nossos defeitos e falhas, e são também, adubo. A única coisa que não pode faltar é aquele mínimo de água, que é para a terra, o que a água do espírito é para nós: o alimento essencial.

Carl Jung tinha na entrada de sua casa ou do seu escritório, a seguinte frase em latim: “Invocado ou não invocado, Deus está presente”. Essa é a água do espírito, que sempre está acessível a nós. E ela pode revivificar o mais seco dos jardins, sempre. Cabe a nós, humanos, o papel de jardineiros, retirando os inços e preparando a terra, para que o jardim não cresça desordenado.


Fonte: www.femininoplural.com.br






 
 
 
 
Terapia ocupacional no jardim
O uso de jardins na psicologia - Artigo enviado por nosso leitor Kaio Emmanuel Farias estudante de Publicidade da Universidade São Judas Tadeu . SP - Postado em 13 julho 2017
A arte de cultivar virtudes
O garoto, de 4 anos de idade, aprendia a cultivar e a cuidar das plantas com o exemplo do seu avô.
Queda de árvores e soluções
Artigo enviado pelo autor José Roberto dos Santos, que tem 35 anos de experiência trabalhando como jardineiro.
Morar em um condomínio é viver no Jardim do Éden?
Talvez a idéia que temos do Paraíso seja bem próxima de um lugar protegido do caos exterior ....... Por Raul Cânovas
A crise e o estresse
Uma das formas mais interessantes de combater o estresse é a de se relacionar melhor com a natureza.
O dia em que a terra brotou
Hoje busco pessoas que acreditam em mudanças para uma grande mobilização social voltada para a educação ambiental.
Curiosidade infantil
Planta sente dor? A criança me fitou e disse: "É pro senhor mesmo que perguntei!"
Vc sabe o que é Biomimética?
É uma nova ciência que nos convida a aprender com a natureza.
Paisagismo e seus estilos
Para definir o jardim que queremos em nossa residência, além de termos o cuidado da escolha de um bom profissional, temos que ter em mente a variedade de opções, estilos e técnicas de plantio.
Qualidade de vida pela arborização
Um exemplo a ser seguido em uma cidade de Angola na África.
Coitadas das nossas árvores, coitadas de nossas calçadas
Caminhando pelas calçadas de nossas cidades, quase sempre danificadas por buracos e dos mais variados obstáculos, vemos as árvores.
Origem das flores ainda é mistério para a ciência
Darwin certa vez escreveu que a evolução delas continuava a ser "um abominável mistério".
Um presente inesperado
Ao ganhar de presente uma muda da minha flor preferida, a magnólia-rosa, nunca imaginaria a surpresa recebida...
Paisagismo: o florescer de uma profissão
Paisagismo: o florescer de uma profissão
Paisagismo do Futuro: Sustentabilidade verde
Jardins sustentáveis, ajudando as cidades a alcançarem a sustentabilidade. Qual a importância das áreas verdes nas cidades e conceitos de jardins sustentáveis.
A Sabedoria do Jardineiro
O jardineiro representa a melhor metáfora para designar o perfil de um novo profissional.
Abandono e incompreensão ameaçam legado de Burle Marx
No centenário de nascimento do célebre paisagista,especialistas cobram atenção a sua obra.
Para evitar uma barbárie na destruição da orla marítima no município da Penha - SC.
Apoio de paisagistas conscientes.
Substitua as espécies invasoras de seu jardim
A escolha adequada das plantas é essencial para que não haja nenhum dano ao meio ambiente.
Somos o que somos, mas amamos o que fazemos
Consegui me apaixonar por uma outra profissão: a de paisagista.
A lição do Jardineiro
Uma boa lição para nós! Como o jardineiro sábio, cuidamos das mudinhas das afeições com carinho e as deixamos florescer.
A criança e o jardineiro
Ensinamento.
O seu jardim determina a sua energia
Quando cultivamos uma planta, estamos na realidade cuidando de uma semente de energia.
A flor dos reis
Ao maior dos reis, leve um feixe de orquídeas.
Mais alimento e florestas no ar
Avidez das plantas por gás carbônico abre perspectivas de produzir mais alimento em menos espaço e de amenizar o aquecimento global.
Meu jardim, meu jardineiro. Minha estética e minhas verdades.
O brasileiro não percebe o verdadeiro sentido e importância da conservação da natureza.
Envie seu artigo
Queremos convidar você para ajudar-nos a enriquecer as nossas publicações.
Paisagismo na arquitetura
Uma obra arquitetônica permite diálogo com a área externa.
Folhas e flores iluminam lugares habitáveis
Um lugar sem plantas, sem crianças é um ambiente sem vida, sem alegria.
Sobre Jardins
Leia este artigo, escrito, imaginem, a alguns séculos atrás.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br