Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Uma casa sem jardim não tem alma.
 
 
 
 
 
No jardim de monet
 
A maioria das telas expostas no Masp foram criadas no último período de vida do artista, fase em que produziu grandes obras. Nessa época, Oscar Claude Monet (1840‑1926) vivia em Giverny, propriedade adquirida na Normandia. Foi lá que ele cultivou um enorme jardim, construiu estufas e uma ponte japonesa sobre um lago.



O jardim, além de receber os cuidados pessoais de Monet, chegou a ser tratado por 14 jardineiros. O amor do pintor pelas plantas pode ser sentido por meio de suas obras: as flores, a ponte japonesa, o lago com ninféias, o roseiral, entre outros exemplos, estão presentes em seus quadros. A ninféias, inclusive, formam um capitulo a parte. Monet cultivava diversas espécies desta planta aquática e passava horas estudando-as. Este "carinho especial" pode ser comprovado em sete telas presentes no Masp, inspiradas nas ninféias e no jogo de imagens que resultavam do efeito criado entre as plantas e a imagem das nuvens refletidas no lago: nuvens e ninféias aparecem compartilhando o mesmo espaço.
 
Em Giverny, além da casa cor-de-rosa, onde Monet morou até à sua morte, havia o jardim, que ele transformou num "mar de flores" inspirador de inúmeras pinturas, em todas as épocas do ano. A paixão de Monet pela jardinagem, iniciada desde os tempos em que viveu em Argenteuil, encontrou ali em Giverny, um campo vasto para se desenvolver. Este amor pela jardinagem e por flores raras, além de ser o tema preferido em suas conversas, era compartilhado com amigos, como o escritor Octave Mirbeau que, em certa ocasião, lhe escreveu estas frases numa carta: "Como diz, vamos apenas falar sobre o tratamento das flores, visto que a arte e a literatura são bastante maçantes. Apenas a terra tem importância e amo-a como se ama uma mulher".
 
Apesar de já estar perto dos 60 anos, durante os meses de verão, Monet levantava-se muito antes do sol nascer, para registrar em seus quadros aquele momento da aurora em que o céu mudava de cor e a névoa ainda pairava sobre o rio. Este sentimento em relação à natureza e a harmonia universal também ficou registrado em palavras, como na afirmação que o artista teria feito a Lila Cabot: "Se sair para pintar, não se esqueça que cada uma das folhas duma árvore tem a importância dos traços do seu modelo".
 
 
O jardim aquático
 
Em 1897 existiam pelo menos 14 aspectos do "jardim aquático de Giverny", no atelier de Monet. O motivo do jardim das ninféias e o seu espaço envolvente passaram a ocupar a maior parte do tempo do artista, a partir desta época até o final de sua vida. Nos seus últimos anos, Monet dedicou-se muito ao projeto de aplicar suas idéias decorativas tanto na casa como no jardim. Nesta tarefa, foi auxiliado por seu jardineiro chefe e mais cinco ajudantes.


 
Quando instalou o jardim aquático, entre 1893 e 1901, foi necessário aquecer o pequeno lago para a colocação das ninféias que Monet mandou trazer do Japão, pois sendo flores sensíveis, necessitavam de temperaturas menos frias do que as oferecidas pela água do lago. Sobre a parte mais estreita deste lago é que foi construída uma ponte, em estilo japonês, retratada em inúmeras obras do pintor. A combinação entre o estilo da ponte e a colocação das plantas japonesas permitiu que o jardim de Monet passasse a ser chamado "jardim japonês", embora faltassem elementos importantes de um jardim japonês tradicional, como por exemplo, as pedras.
 
A ponte japonesa serviu de inspiração para que o artista criasse uma série de obras. Desta série, fazia parte "A Ponte Japonesa", na qual em primeiro plano, aparece o lago das ninféias e, sobre ele, a ponte que abre a vista para as margens, cuja vegetação rica e densa se reflete na superfície da água. O céu, ao que tudo indica, não aparece na tela propositalmente, para que o olhar concentre-se na flora e na superfície da água. Esta série de quadros inspirados na ponte pode ser considerada como precursora dos quadros que retratam as ninféias, pintados mais tarde, nos quais é possível ver apenas a superfície da água coberta de ninféias, vista muito de perto.
 
A ponte japonesa foi equipada com uma cobertura de madeira na qual, mais tarde, foram plantadas glicínias, e serviu de modelo para as representações extremamente expressivas e abstratas da ponte entre os anos de 1923 e 1925.
 
O jardim era, de fato, uma obra‑prima de Monet, concebido cuidadosamente de acordo com as idéias do artista. Ali, até as formas e as cores das plantas eram selecionadas sob os seus cuidados. Sabe-se, por exemplo, que um dos jardineiros tinha a incumbência de tratar permanentemente, de manter a composição das ninféias na superfície do lago, da forma desejada por Monet. Esta área arranjada de maneira artística e, de certa forma, separada do resto do jardim, com as ninféas, a ponte, a região à margem do lago com salgueiros, íris, agapantos e o arco das rosas tornou-se fonte dominante de inspiração para o artista.
 
Tudo isso ficou registrado não só nas telas. No ano de 1908, ao se referir sobre as paisagens com as ninféias que lhe inspiraram muitas obras, Monet escreveu estas palavras: 'Estas paisagens refletidas torna­ram-se para mim numa obrigação que ultrapassa as minhas forças, que são de um velhote. Mas, mesmo assim, quero chegar ao ponto de reproduzir aquilo que sinto... e espero que estes esforços sejam coroa­dos de êxito".




 
 
 
 
Sem músculos e cérebro, planta carnívora ainda intriga cientistas (novo)
Depois de verem fotos da planta postadas por um naturalista amador no Facebook, pesquisadores confirmaram que aquela espécie de drosera era nova para a ciência.
Plantas conversam entre si e possuem até uma espécie de internet, revelam cientistas
Com o uso de gases e fungos, vegetais avisam que estão doentes ou a chegada de predadores.
A caiação das árvores
Como surgiu a incauta pintura e continua até os dias de hoje.
Ouro cresce em árvore?
Cientistas dizem que sim,
Músicas do Black Sabbath fazem bem às plantas, diz especialista
Ajudam a evitar doenças e faz com que elas floresçam melhor.
Vitória Régia a rainha dos lagos. Além da lenda ...
Diz a lenda, que a lua cheia, dona de encantos fabulosos, teria poderes de transformar lindas jovens em estrelas radiantes a brilhar no céu ao lado de nossas constelações boreais.
Mesa de musgo coleta energia da fotossíntese
Já pensou em ter uma mesa de musgo?
Incrível planta se faz de morta quando é tocada
A planta usa o seu sistema de defesa para enganar predadores.
Coletivo de designers aposta em plantas como acessórios
Eles desenvolveram uma linha de joias que transforma plantas em acessórios.
Árvores criam raízes em excesso e usam-nas como armas
Para que servem essas raízes extras?
Verde que mata
As estratégias de caça de algumas das plantas carnívoras mais estranhas do mundo são perturbadoras, muito além do que os botânicos poderiam imaginar.
Os fascinantes cactos e outras suculentas
As cactáceas são plantas suculentas com folhas completamente reduzidas ou transformadas em mamilos com espinhos.
O mistério das plantas e vasos furtados
Lá em Portugal também acontece. Incrível.
Plantas Companheiras
As plantas também têm preferências e se dão melhor com umas do que com outras.
Japoneses usam cortina feita de pepino e plantas para fugir do calor
O acidente na usina de Fukushima reduziu a produção de energia no país e os japoneses terão que enfrentar as temperaturas altas sem ar-condicionado.
Hóspedes educadas, formigas sabem de longe qual é a sua árvore
Cientistas espécie de formiga que consegue reconhecer a árvore onde vive por sua estrutura química.
Jabuticabeira que produz rápido
Chacareira de Jaguariúna aplica técnica em mudas originadas de sementes, que dão frutos a partir do quinto ano.
Cogumelos
Há milhares de anos, os chineses foram os primeiros a usar cogumelos como alimento.
Lustre ecológico permite cultivar plantas em ambientes fechados
Objeto de decoração ilumina o ambiente ao mesmo tempo que fornece luz para fotossíntese.
Vaso inteligente cuida das suas plantas por você
A tecnologia chegou ao jardim.
Aprenda quais são as plantas para atrair bons fluidos em 2011
As plantas podem ser aliadas para começar 2011 com o pé direito.
Círculo das Fadas
Crie um lugar mágico em seu jardim para atrair as fadas.
A estratégia inteligente das plantas
As plantas e animais aceitaram satisfazer os nossos desejos e paixões com o intuito de se perpetuarem.
Os diversos agentes da polinização
Todos os segredos de um novo organismo vegetal estão contidos em cada minúsculo grão-de-pólen.
Loja vende plantas cultivadas dentro de lâmpadas
A ideia é simples.
Jardim da Magia
Se você quiser cultivar um jardim de que as fadas vão gostar.
Vasos urbanos antiqueda encaixam no muro
Produto está disponível em várias cores e tem design patenteado.
Aromas e perfumas das plantas
Desde os primórdios da humanidade o aroma e o perfume das plantas fascinaram o ser humano.
Que árvore você é?
Veja a sua data de nascimento para saber
Mini horta tecnológica faz plantas crescerem cinco vezes mais rápido
O aparelho promete o processo de germinação em até 24 horas.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br