Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
TerraCottem  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Feliz é aquele que transfere o que sabe, e aprende o que ensina
 
 
 
 
 
Floresta Amazônica está doente com muito sol e falta d'água

A pouca chuva e o calor sufocante estão adoecendo até mesmo as plantas. Há 25 anos, um grupo de pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) investiga espécies submetidas a severas condições de estresse ambiental, que sofrem com o excesso de sol e a falta de água, nutrientes e sais minerais. Mais frágeis do que as outras, essas plantas estão mais sujeitas a desenvolver tumores, em processo semelhante ao dos seres humanos e animais. Depois de mapear 500 pontos críticos de vegetação em 30 países, a equipe da UFMG revela a sua última descoberta: ao contrário do que se imaginava, nem mesmo a Floresta Amazônica escapa das enfermidades.

“Por mais de 15 anos, acreditamos que a Amazônia era uma exceção. Nossa tese caiu por terra e tivemos de reformular toda a ideia”, admite o pesquisador da UFMG Geraldo Wilson Fernandes. Maior especialista sobre o assunto, ele conversou por Skype com a reportagem do Estado de Minas, direto da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, onde permanece por um ano cursando o pós-doutorado. No início dos estudos da biologia, ainda na graduação da UFMG, Geraldo Wilson foi o primeiro no país a demonstrar que ambientes estressados por carência de minerais no solo eram mais suscetíveis à formação de tumores. “Quando nosso sistema imunológico está menos resistente, o corpo passa a fabricar coisas como perebas e ziguiziras, não é mesmo? Nas plantas, acontece algo parecido”, compara o professor.

Depois de fazer testes em formações vegetais com alto grau de estresse, como os campos rupestres, a vegetação de Chaparral, na Califórnia (EUA), e a mediterrânea europeia, a equipe da UFMG identificou padrão idêntico na parte mais alta da Floresta Amazônica, conhecida como dossel. “Lá em cima das copas das árvores, temos uma carapaça, uma vegetação que se comporta como o bioma Cerrado, que sobrevive em um ambiente extremamente seco, com alta intensidade luminosa e o calor intenso da altura da linha do Equador”, diz Geraldo Wilson. Segundo o professor, apesar de ser uma floresta tropical e úmida, o topo da Amazônia é extremamente seco, equivalente ao cerrado. A conclusão está descrita no artigo “Unexpected high diversity of galling insects in the Amazonian Upper Canopy: the savana out there”, publicado na revista PLOS One.

Para as análises, a coleta de espécies ultrapassou a marca de 1 mil amostras do dossel da Floresta Amazônica. O trabalho, realizado em parceria com a UFMG pela pesquisadora Genimar Julião, do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa), durou quatro anos, dando origem à tese de mestrado da estudante manauara.“Com a ajuda de pessoas acostumadas ao cotidiano da Amazônia, Genimar construiu a tese de mestrado escalando mais de 100 árvores, com mais de 40 metros cada uma, sujeita a se deparar com bichos como cobras. “Foi bastante trabalhoso”, ela confessa.

Tanto empenho parece ter valido a pena. Ao comparar amostras de vegetação estressadas, a equipe de Geraldo Wilson detectou coincidências entre amostras da Amazônia e as de vegetações comprovadamente estressadas. Segundo o professor da UFMG, a explicação para a existência dos tumores em vegetações do topo da floresta é simples: “Trata-se da parte mais estressada da Amazônia. Apesar da grande quantidade de chuvas, a umidade desaparece rapidamente, devido à forte incidência solar. As folhas do dossel da Floresta Amazônica também são muito duras, o que dificulta a vida de inimigos naturais que poderiam eliminar os tumores, que, nesse ambiente hostil, têm mais chances de parasitar as plantas”.

A grande descoberta da última etapa da pesquisa está associada ao fato de que a Floresta Amazônica tem trechos que se comportam como savana, onde a vegetação é submetida à falta de água e ao excesso de radiação solar. “No Cerrado, isso já era evidente. Sabíamos que aquele ambiente era estressante e que, por isso, a incidência de câncer em espécies de Cerrado era alta. A Amazônia foi o último bioma onde analisamos a relação entre estresse e tumores. O mais interessante foi constatar que o ambiente favorável ao câncer das plantas só ocorre em uma parte muito específica da floresta, no seu topo”, afirma.

Também as células de plantas podem escapar aos padrões normais de crescimento, por meio de processos ainda não completamente desvendados. Chamados de galhas, os tumores vegetais são transformações atípicas de tecidos e órgãos das plantas. Seu crescimento pode ser induzido por bactérias ou por insetos, que parasitam os vegetais. Algumas plantas desenvolvem a capacidade de matar células nas imediações das galhas, cortando o fluxo de nutrientes que mantém vivo o tumor. Esse tipo de defesa desperta a atenção do agronegócios interessado em criar variedades de culturas de soja, milho e trigo imunes aos galhadores, que podem destruir plantações inteiras. “Fato é que os tumores indicam que o clima está mudando, e para pior. No futuro, as plantas vão sofrer mais porque estarão sujeitas a mais estresse”, diz.


Fonte de pesquisa:  E M .com.br



















 
 
 
 
As plantas ouvem (novo)
As raízes das plantas percebem os sons provenientes das fontes hídricas e escolhem aquela direção para se nutrir, crescer e se desenvolver.
Terracottem - uma revolução para as plantas (novo)
Diminui a necessidade de irrigação em até 75%, aumenta em até 60% a eficácia dos nutrientes, reduz os custos com mão de obra, plantio e manutenção entre 25 a 75%. Os custos de reposição levam a uma redução na mortalidade de plantas entre 20 e 100%.
Primeira floresta vertical da Ásia terá 3 mil plantas e capacidade de gerar 60 Kg de oxigênio por dia (novo)
É a retomada do verde nas cidades.
Plantas que produzem eletricidade, um sonho que vira realidade (novo)
Um arrozal capaz de produzir eletricidade dia e noite para uma aldeia isolada da Ásia é um sonho que toma forma na Holanda, com um sistema gerador de energia usando plantas que crescem em ambientes alagados.
Portal Paisagismo Brasil - 14 anos
Muito nos orgulhamos do que nasceu de um sonho, informar e conscientizar as pessoas com relação a temas ligados à natureza.
Dicas sustentáveis para afastar os mosquitos de sua residência e quintal
Nunca é demais repetir sempre, todos os cuidados que se deve ter com este inimigo tão pequeno e incômodo.
Seis tipos de plantas funcionam como repelentes naturais de insetos
A melhor opção, mais saudável e ecológica, é criar plantas que repelem insetos em seu jardim.
Startup paulista cria sensor que ajuda esquecidos a regar plantas
Dispositivo mostra uma luz vermelha quando solo está seco. Ao molhar a terra, aparelho fica verde.
Na briga contra o Aedes botânicos pedem deixem as bromélias em paz
De vilã a heroína: especialistas defendem que as plantas ajudam o homem no combate.
Adote uma planta ameaçada
O Jardim Botânico de IBUNAM no México tem esta iniciativa.
Encontrado o gene responsável pela reação das plantas ao toque
Plantas sujeitas a stress mecânico causado, por exemplo, pelo toque, não podendo fugir, adaptam-se fisiológica e morfologicamente para sobreviver.
Produtores de flores e plantas ornamentais expandem produção
Brasil é o terceiro maior produtor e segundo maior exportador mundial do setor.
Planta africana contém substância eficiente contra dependência química
A ibogaína é pelo menos cinco vezes mais eficiente para interromper a dependência química do que tratamentos convencionais.
Lançamento do livro PAISAGISMO (S) NO BRASIL
21 de 0utubro de 2014 de Rubens de Andrade.
As recém descobertas habilidades vegetais
Como as plantas "falam" umas com as outras.
Estudo ajuda a desvendar a linguagem das plantas
Nova pesquisa descobriu particularidades genéticas relacionadas à produção de compostos químicos que permitem a comunicação entre as plantas.
Humanidade aumenta reservas de grãos perante cataclismos iminentes
O maior acervo de plantas agrícolas no mundo foi completado por sementes de 20 mil plantas, procedentes de 100 países.
Nasa planeja cultivar vegetais na Lua em 2015
Nasa vai dar o primeiro passo para que, no futuro, o homem permaneça por períodos mais longos no espaço.
Curso: Aprenda a cuidar de suas plantas - FLORIANÓPOLIS - SC
No Jardim do Rancho - Espaço Natural para Eventos
Dia Nacional do Paisagista
04 de outubro
Primavera
Primavera da vida, mudança na natureza e nas pessoas.
Dia da árvore
É nossa responsabilidade protegê-las!
Plantas e animais podem perder metade de seu espaço vital com aquecimento global
O aumento das emissões de gás de efeito estufa colocam o planeta em uma trajetória de aquecimento.
Aplicativo mapeia árvores urbanas para controlar a saúde das plantas
O uso a tecnologia para classificar as espécies da floresta urbana.
Telhados vivos são solução para a falta de verde nas grandes cidades
Que tal ter uma área verde extra onde você mora ou trabalha.
Plantas que brilham no escuro podem mudar a forma com que produzimos luz
A ideia é identificar os genes de algas bioluminescentes.
Plantas podem ouvir umas as outras, indica estudo
Plantas usam um mecanismo desconhecido para detectar outras plantas quando todas as vias de comunicação estão bloqueadas exceto o som.
Pesquisadores conseguem extrair energia elétrica de plantas
Os pesquisadores da Universidade de Georgia (UGA) resolveram extrair eletricidade das plantas.
Plantas que já fizeram sucesso agora voltam aos jardins
Paisagismo também segue tendências; descubra as espécies de plantas que estão na moda.
Lagartas deixam recados nas plantas para próximas gerações
Não são apenas os humanos que deixam lições para gerações futuras.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br