Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
TerraCottem  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
O plantio é opcional, a colheita obrigatória.
 
 
 
 
 
Britânicos recriam a Amazônia na região da Cornualha na Grã-Bretanha

É longo o trajeto para a Cornualha, o braço mais ao sul da maior ilha da Europa, a Grã-Bretanha. Mas além dos penhascos com imensas paredes lapidadas pelo impacto constante do Canal da Mancha e do Mar Celta, ornadas com ruínas de castelos medievais que emergem no imaginário das lendas da Távola Redonda, os britânicos e os visitantes estrangeiros têm outro motivo para percorrer, de carro ou trem, os 439 quilômetros que separam Londres da pequena St. Austell, uma cidade de pouco mais de 20 mil habitantes orgulhosos de uma cervejaria local fundada 1851. A viagem serve para conhecer a Amazônia.

Construídas sobre uma antiga mina de caulinita - onde nada que se plantava crescia - estão as cúpulas dessa experiência única no planeta. As paredes são de etileno tetrafluoretileno (ETFE, um material mais eficiente do que o vidro para regular a temperatura interna) e custaram 80 milhões de libras, quando foram construídas no início de 2000 para abrigarem a maior estufa do planeta. O cenário remete aos arquétipos de estações espaciais humanas em outros planetas que nos acostumamos a ver em filmes de ficção científica. Bolhas gigantes se projetam do solo para proteger as árvores e plantas tropicais do ambiente hostil da Cornualha.



O nome do parque, que recebe diariamente centenas de pessoas interessadas em conhecer o clima e a vegetação de países diferentes como Brasil, Malásia, África do Sul e Grécia, não poderia ser mais sugestivo: Projeto do Éden. Fundado em 2001 e celebrado como uma das maiores ambições concretizadas de engenharia e arquitetura dos tempos atuais, o parque é mais do que uma "Disneylandia ecológica" e procura funcionar como propulsor de conscientização ambiental, lançando projetos ligados ao desenvolvimento sustentável, promovendo shows e eventos pela bandeira ambiental.

Dentro da floresta
A sensação não é imediata ao entrar na maior das bolhas. O bioma tropical, que chega a 55 metros de altura, tem 200 metros de largura e 150 metros de comprimento, simula o habitat encontrado em parte do oeste africano, na Malásia e na Amazônia. Conforme a entrada vai se distanciando, a temperatura aumenta. Aos poucos, o clima fresco primaveril do sul da Inglaterra vai ficando para trás. A umidade do ar, que às vezes chega a 90% na bolha, causa maior sensação de abafamento. Após alguns metros de caminhada, aqueles não acostumados com o calor tropical sentem-se desafiados por uma plaquinha que alerta: "se você estiver sentindo muito cansado e com calor, volte. A trilha segue por mais meia hora". A maioria balbucia, ergue as mangas, tira os casacos, mas acaba enfrentando a temperatura entre 30ºC e 35ºC para ver coisas que não crescem no velho continente: bambuzais, cacaueiros, bananais, palmeiras, seringueiras.



O caminho entre árvores, arbustos, riachos e plantas quase transporta para o coração de uma floresta real. No entanto, uma ausência chama a atenção. Na Amazônia verdadeira, o barulho é uma das características mais marcantes. A selva é como uma grande cidade, cheia de animais lutando pela sobrevivência, tão ou mais barulhentos do que o próprio homem. O projeto da Cornualha não pretende ser um zoológico e deixou a turma da bagunça de fora. Houve até a intenção de importar algumas caturritas e papagaios para animar o ambiente, mas eles foram considerados muito destrutivos para as plantas que crescem em cativeiro. Apenas três espécies de pacatos lagartos da Malásia, uma espécie de sapo branco, também da Malásia, e uma espécie de passarinho tropical ganharam o passaporte para a bolha. Mas além de silenciosos, são ariscos e nem sempre se expõem para a gama dos turistas curiosos. O silêncio da Amazônia inglesa é quebrado apenas pelo som de queda d´água proveniente de uma cachoeira artificial, que colabora para a umidade dentro da estufa e enfeita a área designada a representar a América do Sul.

A atividade humana também é representada na floresta. Os visitantes podem entrar em uma cabana típica da Malásia, ver o cacau de onde vem o chocolate e examinar uma pequena plantação de soja. Os desmatamentos e queimadas também aparecem em uma exposição.

O segundo bioma, com 35 metros de altura, 65 metros de largura e 135 metros de comprimento, simula o habitat do Mediterrâneo. Mais familiar para os europeus, a temperatura dentro da estufa varia entre os 9ºC, no inverno, e os 25º, no verão. As plantas cultivadas também são típicas do clima, que varia do quente e seco no verão para o frio e chuvoso no inverno. Além do mediterrâneo, que representa regiões de países como Grécia e Itália, o clima se repete em regiões como sudeste australiano, Califórnia, centro do Chile e África do Sul. A bolha do mediterrâneo abriga mais de mil tipos de plantas, como oliveiras e parreirais. A parte mística da cultura grega é representada em esculturas de figuras mitológicas e o ambiente é alegrado por um restaurante de comida mediterrânea e bons vinhos.

Um terceiro prédio de arquitetura impressionante, inaugurado em 2005, é um complexo com salas de aula e exposições interativas sobre o impacto humano no meio ambiente. Denominado Core (Núcleo) o, edifício, inspirado em um girassol, abriga uma escultura de 70 toneladas de granito que representa uma semente.

Com a camisa suada e ar ofegante após a caminhada pela bolha tropical, Richard Mullins, 47 anos, que nunca visitou uma floresta tropical, descreve a experiência do Éden como colorida e de forte sensação térmica. Ele dirigiu 243 quilômetros de Bristol até a Cornualha para trazer a família para o passeio. Mullins afirma que um dos motivos da viagem foi a conscientização dos filhos, Alana, 13, e Chey, 10. "É triste o que estamos fazendo com o meio ambiente. A maneira como estamos tratando as florestas, devastando a natureza", disse.

Sua esposa, Tania, diz que prioriza a educação ambiental em casa. "Tentamos encorajá-las (as crianças) a refletir, a reciclar e a fazer coisas normais, como caminhar, sair na rua, brincar", diz ela. "Vivemos em um mundo artificial, com televisão, videogame", completa Mullins.

Após o passeio, como em todos os parques e museus do mundo, os visitantes passam pela loja. No Éden, livros de jardinagem e produtos ambientalmente corretos fazem sucesso. Até uma cerveja leva a marca Eden por ser produzida de forma sustentável - 30 toneladas de ingredientes não aproveitados na fabricação alimentam as criações bovinas e suínas locais. O projeto de paraíso na Cornualha, com uma selva calçada, sem chuva - as plantas recebem água través de um processo de irrigação do subsolo - e sem mosquitos não deixa de ser uma floresta para inglês ver dentro de imensas bolhas de plástico. Mas o teto térmico do Éden, assim como as estações espaciais de ficção científica, também pode ser tudo o que reste para lembrar as florestas em gerações futuras se o mundo falhar em proteger seus sistemas naturais e reais.



Fonte de pesquisa: Veja. abril




















 
 
 
 
Turismo sustentável: uma equação difícil de ser fechada (novo)
A Organização das Nações Unidas declarou que 2017 é o ano Internacional do Turismo Sustentável. - Postada em 15 março 2017
O real valor das árvores
Por que as árvores são essenciais na melhora da qualidade de vida. - Postada em 17 fevereiro 2017
Freqüentadores de parque adotam floreiras e passam a cuidar das plantas
Cada adotante recebeu uma ficha informativa com os cuidados que sua planta necessita e também um certificado de Amigo do Parque.
Plantas reagem ao aquecimento global e lançam gases que ajudam a moderar a temperatura (novo)
Pesquisadores comprovam que o aumento nas temperaturas do planeta faz com que as plantas emitam mais gases na atmosfera.
Cientistas descobrem plantas microscópicas no Oceano Ártico
É como se eles tivessem descoberto uma floresta amazônica submersa no Oceano Ártico.
Plantas abundantes na região amazônica contribuem para a recuperação de solos degradados
Trabalho desenvolvido por pesquisador com plantas, demonstra a capacidade das mesmas de melhorar solos de áreas prejudicadas pela ação do ser humano.
Plantas podem ajudar a tratar o esgoto doméstico
É possível purificar a água em até 95% e reutilizá-la.
Água. O diamante azul.
Falta de água. Esse é o principal desafio do Século 21.
Vale a pena neutralizar carbono?
Há quem busque a neutralização de carbono por puro marketing.
Entender o lixo nosso de cada dia
Consideramos lixo aquilo que não tem mais utilidade nenhuma, o que jogamos fora.
Em nome da flora nativa reservas se rendem a agrotóxico
Ameaçadas por pragas, reservas ecológicas no país estão fazendo testes com agrotóxicos com o objetivo de garantir a sobrevivência de espécies nativas.
Florestas tropicais
As florestas tropicais próximas ao Equador terrestre são as que contêm o maior número de espécies animais e vegetais.
Solo degradado pode ser recuperado com plantas nativas
Em ambientes contaminados as plantas podem apresentar distúrbios fisiológicos e nutricionais.
Plantio de árvores e idéias
Quem planta uma árvore assim como ocorre em tantas ações humanas, ao longo da vida desenvolve um vínculo inesgotável com aquilo que produz.
Flora em perigo
Amazônia: uso alterado do solo ameaça plantas.
Biodiversidade da Amazônia
Na Amazônia vivem e se reproduzem mais de um terço das espécies existentes no planeta.
O mentor da Revolução Verde
Embora pouco conhecido no Brasil, benfeitorias não faltam para lhe credenciar aos que ajudaram a mudar o mundo para melhor.
Um planeta sustentável começa dentro de casa
A única saída é educar e estabelecer regras que comecem dentro de sua própria casa.
É uma folha? Uma planta? Não, é um animal!
Seis novos animais (que mais parecem plantas) foram descobertos na Antártica.
O Perigo da poluição da água
A poluição da água traz conseqüências muito graves aos seres vivos.
Estocolmo é verde com louvor
Conheça as ações sustentáveis que tornaram Estocolmo a primeira cidade mais verde da Europa
Chuva problema ou solução?
Enchentes são cada vez mais freqüentes no Brasil e no mundo.
Certificação florestal e sua importância ecológica
As técnicas de manejo florestal requeridas pelo FSC são para aumentar a produtividade da floresta.
Água
Menos de 2% da água que existe no mundo pode ser usada pelo ser humano.
Nova York quer telhados verdes
A prefeitura de Nova York criou subsídios para estimular moradores e empresas a plantarem hortas urbanas no telhado das casas e prédios comerciais.
Amazônia pode perder 4.550 espécies de plantas
As plantas correm risco de desaparecer devido ao uso do solo da região para agricultura e pecuária.
Dicas para proteção ao meio ambiente
Veja o que você pode fazer para ajudar.
Florestas correm risco de parar de 'filtrar' carbono, diz estudo
Especialistas alertam para danos provocados se temperatura terrestre subir 2,5 C.
França adota carroças contra aquecimento global
Ccidades francesas estão substituindo veículos motorizados por carroças puxadas por cavalos para realizar serviços públicos.
Conforto térmico em residências
Estudo comprova que cobertura vegetal urbana melhora conforto térmico.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br