Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
O plantio é opcional, a colheita obrigatória.
 
 
 
 
 
Plantas fingem doença e até criam insetos de mentira para se proteger e atrair sexo

A princípio elas parecem pacatas, vulneráveis, expostas. Presas por raízes, as plantas seriam vítimas das larvas que ali pousassem, dependeriam da vontade de insetos para serem polinizadas, estariam sujeitas a toques indesejados... certo? Não para certas espécies. Milênios de evolução dotaram os vegetais de armas ainda não inteiramente conhecidas, tamanha é a sua inventividade. Uma planta pode fingir doença, esconder suas folhas do inimigo, e até iludir moscas que buscam sexo.

A fertilização é um dos principais motivadores das tramoias. Talvez a mais engenhosa seja a da orquídea Ophrys insectifera. Para aumentar as chances de que seus óvulos sejam fecundados, ela produz uma estrutura sobre suas plantas que, mesmo olhada de perto, é muito facilmente confundida com uma mosca. A estrutura, além disso, é perfumada - a Ophrys solta um aroma que imita o feromônio sexual das fêmeas. O inseto que der uma rasante ali, portanto, verá uma companheira preparada para o sexo.

Ophrys insectifera

- Quando chega à toda, a mosca já poliniza a flor. Só depois percebe que, na verdade, não havia inseto algum - conta Heleno Dias Ferreira, professor de botânica do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Goiás. - Todos os seres vivos são inteligentes, cada um à sua forma. Nós evoluímos usufruindo do poder de comunicação e da locomoção. As plantas demoraram milênios para adotar outras estratégias. Entre elas, fazer uma pétala parecer com uma fêmea.

Enquanto a orquídea luta por quem a fecunde, a planta de tabaco tenta selecionar melhor qual material reprodutivo recebe. Por suas folhas passam pássaros e insetos como formigas. O problema: nenhum deles é frequentador exclusivo - todos pulam de um indivíduo para outro.

O tabaco não quer saber dos restos da relação sexual na planta vizinha - levados involuntariamente por seus fecundadores. Como a visita não se limpa, ele desenvolveu um sistema de incompatibilidade: se o pólen de parentes próximos pousam ali, o tabaco o rejeita. De que forma? Os cientistas ainda não sabem. Mas a negativa tem sucesso inquestionável: afinal, uma mistura do material sexual de vegetais aparentados resultaria em uma espécie mais fraca.

Nem todas as plantas recorrem a artifícios frios como o tabaco e a orquídea. Outras lançam mão de táticas engenhosas apenas para fugir de pragas. É o caso da orelha-de-elefante Caladium steudneriifolium, vítima constante das larvas de mariposa. Uma vez libertas dos ovos, elas comem tudo o que veem pela frente.

Zelosa de suas folhas verdes e vistosas, a orelha-de-elefante tem uma estratégia para evitar que a mariposa deixe ali os seus ovos. Quando percebe a presença do inseto, a planta embranquece, o que a faz adquirir o aspecto de local recém-arrasado.
A mariposa sobrevoa a planta adoentada e não aprova o cenário. Para ela, quanto mais saudável for o local de sua desova, melhor. Assim, parte rumo a uma nova vítima. Logo após se afastar, a orelha-de-elefante readquire o ar saudável de outrora. Está livre da ameaça - ao menos até o próximo inseto.

- O reino vegetal é bem mais hostil do que pode parecer - sentencia Luiz Carlos Giordano, pesquisador da Curadoria de Coleções Vivas do Jardim Botânico do Rio. - Foi necessário criar artimanhas para garantir a sobrevivência. Vale a lei do mais forte.

Charles Darwin, pai da Teoria da Evolução e íntimo dessas palavras, também daria a bênção ao maracujazeiro. Assim como a orelha-de-elefante, estas plantas, do gênero Passiflora, conseguem evitar visitas indesejáveis. Mas, como não sabem fingir doença, tiram outro truque da cartola.

O maracujazeiro, para não cumprir o papel de ninho de ovos de borboletas, ativa suas estípulas, uma estrutura que imita... ovos de borboletas. O inseto passa por ali e é enganado por aquela imitação. Fica com a impressão de que alguém da sua espécie chegou antes e já se instalou por ali. Como ele não gosta de competição, procura outro local para depositar sua carga.

Mimosa pudica

A Mimosa pudica (conhecida como não-me-toque) não tem um inimigo específico. Borboletas, mariposas, até mesmo os homens - a planta quer se resguardar de todos. Mesmo um toque gentil a faz fechar rapidamente suas folhas pequenas e frágeis. Demora até meia hora para ela detectar que o perigo passou e, depois, abrir-se novamente.
O feijoeiro prefere o trabalho em equipe. Incapaz de defender-se sozinho de aracnídeos parasitas, o Phaseolus lunatus produz uma mistura de produtos químicos que atrai seus aliados - outros aracnídeos. A cavalaria, quando chega, devora a população inteira e protege a planta.

Há quem não tenha guarda-costas, mas não abra mão de se defender em grupo. Caso das plantas Artemisia tridentata, que, ao serem atacadas por insetos, lançam uma substância química para alertar suas vizinhas. Ao receberem o sinal de perigo, elas produzem seus próprios compostos para impedir que, depois, tornem-se elas as vítimas da infestação.

- Diversas espécies de plantas têm venenos na semente, na fruta ou no caule. É, também, um mecanismo de defesa - assinala Dias Ferreira, da UFGO. - Não deixa de ser uma compensação adquirida pela planta para a falta de locomoção.

Bioquímico da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária em Rondônia (Embrapa), Cléberson de Freitas Fernandes estuda os mecanismos de defesa de plantas. Segundo ele, as reações são mais efetivas quando o ataque ocorre no interior do organismo, orquestrado, por exemplo, por fungos ou bactérias. Neste caso, o vegetal pode até lançar mão de um mecanismo conhecido como morte celular.

- É uma resposta hipersensitiva. A planta detecta o local onde houve a penetração do agente patogênico e aumentando a concentração de peróxido de hidrogênio para matar suas próprias células vizinhas - explica. - Dessa forma, o invasor não encontra tecido vivo para se alimentar.

Para dificultar o avanço dos micro-organismos, a planta também induz a formação de papilas, estruturas parecidas com blocos que são construídos na região atacada.

As agressões na região exterior - provocados por insetos e seus ovos - encontram resposta menos efetiva. E assim, a planta luta para que a invasão a deixe o mais rapidamente possível. Mesmo que, para isso, tenha de alterar a composição química de suas próprias folhas.

- O vegetal faz de tudo para dificultar a capacidade de digestão de um inseto invasor - anuncia Fernandes. - Este animal terá mais dificuldade em extrair os nutrientes da planta. Ela faz o possível para se tornar uma refeição menos rentável, de baixo retorno metabólico.

Assim, quem se alimenta dela vai procurar algo que lhe dê mais energia.
Além da necessidade de compensar a falta de locomoção, outros fatores explicam por que cada planta teve de correr atrás de uma forma de se defender. A busca por uma melhor adaptação ao ambiente provocou uma série de especiações - fenômeno em que espécies de mesmo gênero passam por diferentes processos, culminando no surgimento de novas espécies.

- O isolamento geográfico contribuiu muito para a ocorrência de especiações - assinala Giordano. - A Indonésia, por exemplo, formada por diversas ilhas entre a Ásia e a Oceania, tem uma flora altamente diferenciada. Foi necessário que ela produzisse características específicas para se adaptar àquele meio.

Uma população de plantas, quando consegue se estabelecer, luta para manter o seu domínio. Giordano lembra uma espécie conhecida como maria-sem-vergonha (que, curiosamente, também atende por beijo-de-frade). O cultivo do vegetal, do gênero Impatiens, há tempos saiu do controle humano e tem espécies em, pelo menos, três continentes.

- As sementes se deram tão bem quando introduzidas em certos países que conseguiram se espalhar espontaneamente - conta. - Quando está em companhia de vários outros indivíduos da mesma espécie, ela forma uma sociedade e sua raiz cresce lentamente, conforme espalha-se ainda mais e ganha novos territórios.

Se o terreno cobiçado conta com outras plantas, a maria-sem-vergonha acelera sua dinâmica:

- Aí, o crescimento da raiz ocorre em maior velocidade. E, enquanto ela amadurece, nenhuma outra planta ao redor conseguirá aparecer.



Fonte de pesquisa: O Globo Ciência












 
 
 
 
Terracottem - uma revolução para as plantas (novo)
Diminui a necessidade de irrigação em até 75%, aumenta em até 60% a eficácia dos nutrientes, reduz os custos com mão de obra, plantio e manutenção entre 25 a 75%. Os custos de reposição levam a uma redução na mortalidade de plantas entre 20 e 100%.
Primeira floresta vertical da Ásia terá 3 mil plantas e capacidade de gerar 60 Kg de oxigênio por dia (novo)
É a retomada do verde nas cidades.
Plantas que produzem eletricidade, um sonho que vira realidade (novo)
Um arrozal capaz de produzir eletricidade dia e noite para uma aldeia isolada da Ásia é um sonho que toma forma na Holanda, com um sistema gerador de energia usando plantas que crescem em ambientes alagados.
Portal Paisagismo Brasil - 14 anos
Muito nos orgulhamos do que nasceu de um sonho, informar e conscientizar as pessoas com relação a temas ligados à natureza.
Dicas sustentáveis para afastar os mosquitos de sua residência e quintal
Nunca é demais repetir sempre, todos os cuidados que se deve ter com este inimigo tão pequeno e incômodo.
Seis tipos de plantas funcionam como repelentes naturais de insetos
A melhor opção, mais saudável e ecológica, é criar plantas que repelem insetos em seu jardim.
Startup paulista cria sensor que ajuda esquecidos a regar plantas
Dispositivo mostra uma luz vermelha quando solo está seco. Ao molhar a terra, aparelho fica verde.
Na briga contra o Aedes botânicos pedem deixem as bromélias em paz
De vilã a heroína: especialistas defendem que as plantas ajudam o homem no combate.
Adote uma planta ameaçada
O Jardim Botânico de IBUNAM no México tem esta iniciativa.
Floresta Amazônica está doente com muito sol e falta d'água
Pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG investigam espécies submetidas a severas condições de estresse ambiental, com excesso de sol e falta d'água.
Encontrado o gene responsável pela reação das plantas ao toque
Plantas sujeitas a stress mecânico causado, por exemplo, pelo toque, não podendo fugir, adaptam-se fisiológica e morfologicamente para sobreviver.
Produtores de flores e plantas ornamentais expandem produção
Brasil é o terceiro maior produtor e segundo maior exportador mundial do setor.
Planta africana contém substância eficiente contra dependência química
A ibogaína é pelo menos cinco vezes mais eficiente para interromper a dependência química do que tratamentos convencionais.
Lançamento do livro PAISAGISMO (S) NO BRASIL
21 de 0utubro de 2014 de Rubens de Andrade.
As recém descobertas habilidades vegetais
Como as plantas "falam" umas com as outras.
Estudo ajuda a desvendar a linguagem das plantas
Nova pesquisa descobriu particularidades genéticas relacionadas à produção de compostos químicos que permitem a comunicação entre as plantas.
Humanidade aumenta reservas de grãos perante cataclismos iminentes
O maior acervo de plantas agrícolas no mundo foi completado por sementes de 20 mil plantas, procedentes de 100 países.
Nasa planeja cultivar vegetais na Lua em 2015
Nasa vai dar o primeiro passo para que, no futuro, o homem permaneça por períodos mais longos no espaço.
Curso: Aprenda a cuidar de suas plantas - FLORIANÓPOLIS - SC
No Jardim do Rancho - Espaço Natural para Eventos
Dia Nacional do Paisagista
04 de outubro
Primavera
Primavera da vida, mudança na natureza e nas pessoas.
Dia da árvore
É nossa responsabilidade protegê-las!
Plantas e animais podem perder metade de seu espaço vital com aquecimento global
O aumento das emissões de gás de efeito estufa colocam o planeta em uma trajetória de aquecimento.
Aplicativo mapeia árvores urbanas para controlar a saúde das plantas
O uso a tecnologia para classificar as espécies da floresta urbana.
Telhados vivos são solução para a falta de verde nas grandes cidades
Que tal ter uma área verde extra onde você mora ou trabalha.
Plantas que brilham no escuro podem mudar a forma com que produzimos luz
A ideia é identificar os genes de algas bioluminescentes.
Plantas podem ouvir umas as outras, indica estudo
Plantas usam um mecanismo desconhecido para detectar outras plantas quando todas as vias de comunicação estão bloqueadas exceto o som.
Pesquisadores conseguem extrair energia elétrica de plantas
Os pesquisadores da Universidade de Georgia (UGA) resolveram extrair eletricidade das plantas.
Plantas que já fizeram sucesso agora voltam aos jardins
Paisagismo também segue tendências; descubra as espécies de plantas que estão na moda.
Lagartas deixam recados nas plantas para próximas gerações
Não são apenas os humanos que deixam lições para gerações futuras.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br