Gilberto Matter Paisagismo  
Paisagismo  
Dicas  
Jardinagem  
Artigos  
Envie seu Artigo  
Plantas  
Idéias & Curiosidades  
Ecologia e Meio Ambiente  
Sem comentários  
Produtos  
Produtos exclusivos  
Novidades  
Classificados  
Promoções  
Cursos no Brasil  
Agenda de Cursos  
Agenda de Eventos  
Cadastro de Empresas  
Cadastro de Profissionais  
Teste: Ter um jardim?  
Newsletter  
Download  
Perguntas & Respostas  
Links  
Biblioteca Verde  
Cartões Virtuais  
Fotos do seu Jardim  
Galeria de Imagens  
Fóruns  
Cursos de Paisagismo e Jardinagem  
O Projeto  
Estrutura  
Parceria  
Cursos e Palestras  
Notícias do Centro  
Institucional  
Apresentação  
Colaboradores  
Parceiros do Portal  
Termos de Uso  
Política de Privacidade  
Opine  
Cadastre-se  
Anuncie no Portal  
Fale conosco  
 
Os jardins devolvem às pessoas o verde que a cidade lhes roubou - Roberto Burle Marx
 
 
 
 
 
A flor dos reis

Se você acha surreal que pessoas sejam literalmente apaixonadas por flores é porque, seguramente, não conhece nenhum orquidófilo. Colecionadores de orquídeas costumam empreender verdadeiras loucuras para conseguir espécies de sua ambição e pagam, sem pestanejar, pequenas fortunas por elas.

O gosto por estas plantas e a mística que as envolve já eram registrados há quase três mil anos. “Ao maior dos reis, leve um feixe de orquídeas”, teria sugerido uma escrava à rainha de Sabá, que não sabia qual presente oferecer ao rei Salomão, a quem iria visitar. A flor recebeu batismo do naturalista e filósofo Teofrasto, discípulo de Aristóteles, cerca de 300 AC. Na época vicejando farta à costa do Mar Mediterrâneo, era consumida com fins medicinais, a partir de apregoadas propriedades afrodisíacas - depois derrubadas cientificamente. Órkhis é a palavra grega para “testículos”, sugestão levantada pelo fato de a espécie apreciada pelo filósofo ter dois bulbos terrestres em suas raízes.



Depois de se tornar febre no final do Século XIX, quando os ricaços da Europa mandavam emissários aos países tropicais para encontrar novas espécies, não é por acaso que muitos orquidófilos se autodenominam, com bom humor, de “orquidoidos”. O neologismo é adequado. Inexiste entre eles quem não traga cicatrizes por embrenhar-se em matas fechadas e subir em árvores à procura de uma flor com armação perfeita e/ou rara.

“Já caí e me esfolei várias vezes”, atesta o paranaense Marcos Luiz Klingelfus, dono de 1.500 plantas, de aproximadamente 500 espécies, todas abrigadas em uma estufa com 50 metros quadrados. Pior foi a experiência de Izabel Silvestrini, que aboletou-se em uma árvore para retirar uma Cyrtopodium Gigas e deu de cara com uma colméia. Perseguida pelas abelhas, saiu correndo, tropeçou em uma raiz e parte dela cravou-se em sua perna, deixando uma cicatriz.

Izabel é uma das cinco mulheres membros da Sociedade Paranaense de Orquidófilos, em meio à cerca de 60 homens. Há dez anos colecionadora, possui mais de 800 plantas. A entidade tem uma presidente pela primeira vez em 45 anos, Regina de Carvalho. Não se sabe porque a atividade desperta maior interesse no sexo masculino. No Brasil, isso pode estar relacionado ao poder dos cafeicultores, que derrubavam matas virgens inteiras para suas lavouras de café e, como um hobby, guardavam as orquídeas cujo habitat natural destruíam sem cerimônia. Mas essa proporção de gênero entre os orquidófilos se verifica no mundo todo, sem maiores explicações. “Os homens alegam que as mulheres não são tão perseverantes”, arrisca Regina, com o sorriso de quem desdenha o rótulo.

Perseverança, de fato, é atributo fundamental nesse misterioso mundo. Uma orquídea demora até cinco anos para tornar-se adulta e florescer. Mas, para os orquidófilos, tal expectativa só aumenta o fascínio da planta. “Nossa felicidade é esperar e ver ela florir”, confirma Marcos Luiz. “Ela vai crescer para você; o acompanhamento é como se você adotasse um bebezinho”, ilustra Regina. “Todo ano floresce uma novidade”, completa José Roberto Thomal, dono de um orquidário com 60 mil exemplares. Entre eles, vários da cobiçada Feiticeira (Cattleya walkeriana), espécie cujo nome foi inspirado em sua beleza, a encantar quem deita os olhos sobre a flor. Uma das mais raras do Brasil, sua instabilidade genética dificulta a clonagem. Em conseqüência disso, uma muda pequenina chega a custar R$     250.

Existem 35 mil espécies nativas de orquídeas espalhadas por todo o globo, exceto nos pólos. O tamanho das flores varia de uma cabeça de alfinete a 30 cm de diâmetro. A essa biodiversidade natural agregam-se, todos os anos, de duas a três mil novas espécies híbridas, ou seja, produzidas em laboratórios como resultado de cruzamentos. “É a perfeição de Deus unida à sabedoria que Ele dá aos homens”, filosofa Regina. Como híbridas podem ser cruzadas com outras, a criação de novas flores é ilimitada.

A relação passional com as orquídeas é capaz, inclusive, de mudar trajetórias. Aos 17 anos, Alessandro Garrett Dronk era estudante do curso técnico de Edificações. Um dia, ao passear pela Praia do Leste, no litoral paranaense, encontrou uma orquídea. Foi amor à primeira vista. Levou-a e passou a cuidar dela. Logo depois, visitou uma exposição das flores no Parque Barigui, em Curitiba, onde conheceu o pessoal da Sociedade Paranaense de Orquidófilos. Pronto, foi o suficiente para que decidisse cursar Engenharia Agronômica. “Quem pega o vírus não se salva: orquídea tem uma magia”, diz.

Alessandro enfrentou as galhofas dos colegas, que enxergavam em seu gosto feições nada viris, e teve sua doce vingança: muitos dos que lhe atazanavam no passado encontraram na floricultura um caminho profissional. “É uma área da Agronomia pouco explorada”, informa ele, que hoje ministra cursos de reprodução de orquídeas in vitro.

Destaque-se que, no ambiente natural, essas plantas não são parasitas, como muitos leigos as classificam. Na verdade simbiontes, associam-se às árvores apenas para se segurar, sem causarem nelas qualquer expropriação. As orquídeas se alimentam de um fungo – micorriza – que, instalado em suas raízes, repassa-lhes nutrientes. Na reprodução em laboratório, o fungo torna-se prejudicial. As sementes se nutrem de um meio de cultura com sais minerais, vitaminas, açúcar, gelatina agar-agar e água.



Desta forma, é possível a produção em quantidade, o que tem contribuído para tornar a flor mais acessível a compradores leigos, simplesmente admiradores de sua beleza. Mas os preços de orquídeas dificilmente serão competitivos em relação a margaridas, por exemplo. A literatura científica lhes confere o status de “biologicamente eternas”. Elas crescem, florescem, se reproduzem e não morrem – há plantas que acompanham gerações. Assim, cuidar delas é relativamente fácil, mesmo para quem não detém conhecimentos específicos. O melhoramento genético, por sua vez, aprimora as florações, completando o serviço antes circunscrito à natureza.

Nesse caminho, surgiu a Blc Strathfair ‘Moon Beach’, uma híbrida super perfumada o dia todo, o que é raro. A maioria das espécies só exala perfume no período em que seus insetos polinizadores encontram-se em atividade, justamente com o objetivo de atraí-los. Deste ciclo, surgem algumas curiosidades: a Angraecum Sesquipedale tem como polinizador uma mariposa cuja tromba estende-se por 40 cm para alcançar o néctar. Já a Bulbophillum Fletcherianum, que ocorre na Ásia, emana um cheiro horroroso, de carniça. Motivo: seu inseto polinizador é a mosca.

Orquidófilo que se preza, hoje, já tem como ecologicamente incorreto retirar plantas nas matas, o que se configura como crime ambiental, mesmo em situações de resgate, em áreas a serem inundadas por barragens, por exemplo. “Nesse caso, é um absurdo, mas é assim mesmo”, lamenta Alessandro Dronk. Eventualmente, os colecionadores ficam sabendo de algum desmatamento e correm a recuperar as orquídeas em árvores caídas. Também é crime, porém, nessa circunstância em que as flores estariam condenadas à morte, quase ninguém liga.

Orquidófilos da Sociedade Paranaense: assumidamente "orquidoidos"


REPORTAGEM ESPECIAL: Mônica Pinto / AmbienteBrasil



Fonte de pesquisa: ambientebrasil.com.br






 
 
 
 
A arte de cultivar virtudes
O garoto, de 4 anos de idade, aprendia a cultivar e a cuidar das plantas com o exemplo do seu avô.
Queda de árvores e soluções
Artigo enviado pelo autor José Roberto dos Santos, que tem 35 anos de experiência trabalhando como jardineiro.
Morar em um condomínio é viver no Jardim do Éden?
Talvez a idéia que temos do Paraíso seja bem próxima de um lugar protegido do caos exterior ....... Por Raul Cânovas
A crise e o estresse
Uma das formas mais interessantes de combater o estresse é a de se relacionar melhor com a natureza.
O dia em que a terra brotou
Hoje busco pessoas que acreditam em mudanças para uma grande mobilização social voltada para a educação ambiental.
Curiosidade infantil
Planta sente dor? A criança me fitou e disse: "É pro senhor mesmo que perguntei!"
Vc sabe o que é Biomimética?
É uma nova ciência que nos convida a aprender com a natureza.
Paisagismo e seus estilos
Para definir o jardim que queremos em nossa residência, além de termos o cuidado da escolha de um bom profissional, temos que ter em mente a variedade de opções, estilos e técnicas de plantio.
Qualidade de vida pela arborização
Um exemplo a ser seguido em uma cidade de Angola na África.
Coitadas das nossas árvores, coitadas de nossas calçadas
Caminhando pelas calçadas de nossas cidades, quase sempre danificadas por buracos e dos mais variados obstáculos, vemos as árvores.
Origem das flores ainda é mistério para a ciência
Darwin certa vez escreveu que a evolução delas continuava a ser "um abominável mistério".
Um presente inesperado
Ao ganhar de presente uma muda da minha flor preferida, a magnólia-rosa, nunca imaginaria a surpresa recebida...
Paisagismo: o florescer de uma profissão
Paisagismo: o florescer de uma profissão
Paisagismo do Futuro: Sustentabilidade verde
Jardins sustentáveis, ajudando as cidades a alcançarem a sustentabilidade. Qual a importância das áreas verdes nas cidades e conceitos de jardins sustentáveis.
A Sabedoria do Jardineiro
O jardineiro representa a melhor metáfora para designar o perfil de um novo profissional.
Abandono e incompreensão ameaçam legado de Burle Marx
No centenário de nascimento do célebre paisagista,especialistas cobram atenção a sua obra.
Para evitar uma barbárie na destruição da orla marítima no município da Penha - SC.
Apoio de paisagistas conscientes.
Substitua as espécies invasoras de seu jardim
A escolha adequada das plantas é essencial para que não haja nenhum dano ao meio ambiente.
Somos o que somos, mas amamos o que fazemos
Consegui me apaixonar por uma outra profissão: a de paisagista.
A lição do Jardineiro
Uma boa lição para nós! Como o jardineiro sábio, cuidamos das mudinhas das afeições com carinho e as deixamos florescer.
A criança e o jardineiro
Ensinamento.
O seu jardim determina a sua energia
Quando cultivamos uma planta, estamos na realidade cuidando de uma semente de energia.
Mais alimento e florestas no ar
Avidez das plantas por gás carbônico abre perspectivas de produzir mais alimento em menos espaço e de amenizar o aquecimento global.
Meu jardim, meu jardineiro. Minha estética e minhas verdades.
O brasileiro não percebe o verdadeiro sentido e importância da conservação da natureza.
Envie seu artigo
Queremos convidar você para ajudar-nos a enriquecer as nossas publicações.
Paisagismo na arquitetura
Uma obra arquitetônica permite diálogo com a área externa.
Folhas e flores iluminam lugares habitáveis
Um lugar sem plantas, sem crianças é um ambiente sem vida, sem alegria.
Sobre Jardins
Leia este artigo, escrito, imaginem, a alguns séculos atrás.
Lar verde lar
Imagine morar em harmonia com a natureza.
Um negócio bem adubado
Quem produz plantas ornamentais pode lucrar até 20% por ano.

 

© Copyright 2002 - Paisagismo Brasil
Webmaster
Email: gm@paisagismobrasil.com.br